A importância de incluir a igualdade de gênero no planejamento de transportes

13710481594_c1be4cc57e_o

(Foto: Benoit Colin/EMBARQ/Flickr)

Em 1996, um estudo icônico de Viena, na Áustria, explorou por que havia menos meninas (acima de nove anos) em parques públicos em comparação ao número de meninos. Os pesquisadores concluíram que os meninos eram mais seguros em seu uso do parque, e as meninas geralmente ficavam de fora nesta competição por espaço limitado. Após o estudo, em 1999, a cidade iniciou um projeto de redesenho do parque, e os resultados foram impressionantes. Ao adicionar mais caminhos de acesso e paisagismo para dividir grandes espaços abertos em seções menores, grupos de meninos e meninas foram capazes de criar zonas para si próprios sem competir. As moças da cidade voltaram para os parques.

Nas últimas duas décadas, Viena realizou mais de 60 projetos-piloto – em transporte público, moradias e trilhas – para incorporar a igualdade de acesso para homens e mulheres no design. Hoje, a integração da perspectiva de gênero é fundamental para a estratégia de planejamento de Viena.

A integração da perspectiva de gênero, tal como definida pelo Conselho Econômico e Social das Nações Unidas, refere-se a uma estratégia para fazer com que as preocupações e experiências das mulheres, bem como dos homens, sejam dimensões integrais das políticas e programas em todas as esferas políticas, econômicas e sociais. A integração da perspectiva de gênero é essencial para garantir que mulheres e homens se beneficiem igualmente de um determinado sistema e a desigualdade não seja perpetuada.

Protagonismo para as questões de Gênero em Transporte

O planejamento e os projetos de transporte são comumente considerados “neutros de gênero“. Assume-se que os projetos de transporte beneficiam igualmente homens e mulheres e que não há diferenças significativas entre as necessidades de viagens e os padrões de ambos os sexos. Os investimentos são, portanto, orientados para a infraestrutura e para um planejamento que beneficie diferentes grupos sociais.

No entanto, a experiência das mulheres com a mobilidade é muito diferente da experiência masculina. Isso está profundamente enraizado em papéis de gênero socialmente induzidos, influências econômicas, sociais e de subsistência.

Projetando para necessidades de mobilidade e padrões de viagem

As necessidades de mobilidade das mulheres tendem a ser heterogêneas. Enquanto os homens usam os serviços de transporte em grande parte para trabalhar e retornar para casa, as mulheres combinam tarefas domésticas com viagens de trabalho. Esse fenômeno é referido como “encadeamento de viagens“, onde as viagens são curtas, multimodais e frequentes. O encadeamento de viagens é especialmente comum entre mulheres em economias de renda baixa e média. Isto é corroborado por um estudo realizado em Bhopal pelo WRI Índia, que revelou que mais de 50% das duas mil mulheres entrevistadas realizam esse tipo de deslocamento

Encadeamentos de viagem exigem que as mulheres façam malabarismo para realizar diferentes tarefas. As mulheres são, portanto, mais necessitadas de tempo e mais suscetíveis a evitar oportunidades de emprego por causa de projetos de transporte ruins. Como resultado, tornar a mobilidade acessível às mulheres é crucial. Por exemplo, na tentativa de promover a educação básica, a Missão Nacional de Alfabetização adotou a ideia do ciclismo para mulheres em Pudukkottai – um distrito em Tamil Nadu. A campanha deu acesso fácil a empréstimos para mulheres comprarem bicicletas. Com acesso à mobilidade melhorada, cerca de 40% das mulheres admitiram ser capazes de realizar mais do que podiam antes. Bem como tiveram acesso a empregos em distâncias maiores, empregos que de outra forma não teriam sequer considerado.

As mulheres tendem a gastar mais tempo do que os homens em tarefas de “cuidado”, como, por exemplo, cuidar de crianças e idosos. O estudo de Bhopal mostra que mais de 30% das mulheres viajam com dependentes, em oposição a menos de 16% dos homens. É comum que os planejadores realizem pesquisas de planejamento de transporte para entender os padrões e necessidades de viagens, para que a infraestrutura possa ser planejada de acordo com esses requisitos. A pesquisa combina todos os tipos de trabalho remunerado em uma única categoria, enquanto as tarefas de “cuidado” estão espalhadas por diferentes categorias. A professora Inês Sánchez de Madariaga, do governo espanhol, sugere que as tarefas de “cuidado” se tornam mais evidentes se agrupadas sob “mobilidade de cuidado” e, portanto, um insumo mais crucial para o projeto de transporte. Os planejadores de transportes de Londres implementaram várias inovações usando dados da “mobilidade de cuidado”, como acesso livre de trens, metrôs e ônibus para acomodar carrinhos de bebê, malas e cadeiras de rodas e plataformas de acesso de nível.

A concepção de sistemas de distribuição em torno das necessidades dos passageiros também pode melhorar a acessibilidade dos serviços de transporte para as mulheres. Na Índia, os serviços de agregadores de ônibus estão crescendo – esses modelos funcionam com os usuários utilizando smartphones para reservar um lugar em ônibus privados.

O WRI Índia realizou uma pesquisa em Hyderabad para entender se tais modelos têm impacto na percepção e experiência da segurança pessoal e acessibilidade. As mulheres que usavam os transportes públicos antes de mudarem para os serviços agregadores de ônibus declararam que a obtenção de um lugar, a pontualidade e o tempo de viagem eram cruciais na sua decisão sobre o modo de transporte que utilizariam. A maioria das mulheres disse que o tempo necessário para usar o ônibus dentro desse modelo era menor do que o seu modo de transporte anterior; muitos relataram uma redução de meia hora. Além disso, um número esmagador de mulheres disse que os ônibus agregados são mais rápidos, mais pontuais e melhores em garantir um assento do que o transporte público.

Projetando para a segurança

As mulheres têm preocupações de segurança diferentes das dos homens, e projetar para a segurança pessoal é crucial para que as mulheres executem funções econômicas e sociais. Os utilizadores de transportes são predominantemente do sexo masculino, o que deixa desconfortáveis as passageiras que precisam enfrentar a superlotação dos transportes. Conseguir um assento seguro e ter mecanismos para denunciar a insegurança, garantem maior segurança de acordo com as mulheres pesquisadas em Hyderabad.

A concepção e os métodos de acesso e infraestruturas para os pedestres devem também incorporar considerações de gênero. Em Hyderabad, as mulheres relataram que se sentem mais vulneráveis ao roubo ou assédio em rotas de acesso e pontos de embarque de ônibus e trens.

Passeios a pé são mais comuns entre as mulheres do que os homens. Em uma favela de Deli, entre as pessoas envolvidas em empregos informais, um estudo relatou que 52% das mulheres caminharam para o trabalho contra apenas 26% dos homens. Uma conclusão semelhante em Viena, através da abordagem da integração da perspectiva de gênero, conduziu a uma melhoria da iluminação ao longo das calçadas.

Projetando através de Planejamento Inclusivo

A sub-representação das mulheres no setor dos transportes leva a uma baixa visibilidade de suas perspectivas e das diferenças nas necessidades, o que faz com que os padrões de transporte não se tornem evidentes. É, portanto, cada vez mais necessária uma maior participação das mulheres nos processos de planeamento e concepção. O compromisso com a integração da perspectiva de gênero deve incluir conscientização de gênero e programas de capacitação para que os políticos e os tomadores de decisão compreendam e analisem completamente as questões de gênero.

Os projetos de transporte são geralmente responsivos às necessidades da base maior de viajantes. O processo de concepção deve ser com base em dados discriminados por gênero com requisitos igualmente importantes para homens e mulheres. Por exemplo, uma pesquisa realizada na Espanha revelou que mais de 30% dos passageiros utilizam os transportes públicos para o emprego. Os dados discriminados por sexo mostram que dentro desses 30%, mais mulheres utilizam o transporte público para ir ao trabalho.

Finalmente, é importante que mais mulheres participem em funções operacionais de sistemas de transporte como motoristas, atendentes em estações, supervisoras, etc. Algumas cidades também incluem a participação feminina em serviços aliados que envolvem infraestrutura de transporte. Por exemplo, a corporação da cidade em Dhaka, Bangladesh, introduziu um programa em que 15% da área de vendedores em torno dos corredores de BRT foram reservados para as mulheres.

O design de transporte é sensível aos grupos de renda, mas pouca atenção é dada às considerações de gênero. Embora existam mecanismos como as instalações reservadas para as mulheres nos sistemas de transporte público, a integração da perspectiva do gênero no processo de concepção pode abordar questões de gênero mais amplas e abrir caminhos para as mulheres participarem na força de trabalho, melhorar a sua posição na sociedade e beneficiar a economia.

***