Berço do BRT, Curitiba quer continuar inovando no transporte coletivo

Curitiba é conhecida mundialmente por ser o berço do BRT (Bus Rapid Transit), um dos sistemas de transporte de alta capacidade mais replicados em todo o planeta. No entanto, as cidades estão em constante mudança e crescimento, o que leva o setor de transportes a buscar atualizações constantes. E mesmo a cidade que lançou um sistema inovador como o BRT precisa se manter atualizada. Por esse motivo, em maio do ano passado a prefeitura lançou o Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) da Eletromobilidade, com o objetivo de buscar uma solução de transporte público baseada em energia elétrica. A ideia é que o novo modal contemple a região metropolitana e atenda o eixo Norte-Sul, além da Linha Verde e da Boqueirão.

Curitiba. (Foto: Mariana Gil/WRI Brasil Cidades Sustentáveis)

Curitiba. (Foto: Mariana Gil/WRI Brasil Cidades Sustentáveis)

O PMI proposto por Curitiba é como um concurso para empresas interessadas em oferecer conceituação, estudos de viabilidade técnica e econômico-financeira, modelagem institucional, jurídica e de projeto, além de viabilizar uma nova infraestrutura de transporte que funcione com deslocamentos integrados. O edital ressaltou a importância de que os projetos apresentassem “inovações, melhorias e alternativas para alcançar maior economicidade, melhor eficiência tecnológica, ganhos de escala, redução de prazos, melhor impacto ambiental, melhor impacto social, modicidade tarifária e maior conforto e segurança na execução do projeto e operação”

Duas propostas foram apresentadas e estão sendo atualmente analisadas pela prefeitura e equipe do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (IPPUC): O “Civi” – criado por Volvo, Metrocard e Cesbe Engenharia –; e o Veículo Leve sobre Pneus (VLP) – apresentado por J.Maluceli, M4 Consultoria e Pontoon Participações.

Civi: um novo sistema de BRT

(Divulgação/CIVI)

(Divulgação/CIVI)

Chamado de Civi, o projeto se autodenomina como “a evolução do BRT”. Inicialmente, o sistema seria projetado com ônibus híbridos, depois substituídos por ônibus elétricos. O Civi pretende ser uma solução inovadora para o transporte de Curitiba. Além de viagens mais rápidas, silenciosas e confortáveis, o sistema garantiria criatividade e inovação, a partir de tecnologia inteligente nas estações e nos ônibus, que permitiria aos usuários prever com exatidão os horários de chegadas dos ônibus. As estações do Civi seriam no nível da rua, além disso a proposta contempla a criação de um túnel com uma estação subterrânea.

Conforme destacou o Diretor de Mobilidade Urbana da Volvo América Latina, Ayrton do Amaral Filho, em entrevista para a Gazeta do Povo, “o conceito Civi soluciona e qualifica o sistema de transporte de Curitiba e região, servindo tanto para introduzir essa nova tecnologia nos eixos atuais quanto nos futuros. Nossa proposta é melhorar a qualidade de vida dos 450 mil passageiros diários que utilizam os 5 eixos propostos pelo Civi”.

Veja o vídeo da proposta do CIVI abaixo.

VLP: Veículo Leve sobre Pneus

A outra proposta que está sendo avaliada por Curitiba é a de Veículos elétricos Leves sobre Pneus (VLP). Um projeto da empresa francesa NTL que já opera em cidades como Paris, Shanghai, Veneza e Medelín. O veículo é inteiramente elétrico, possui piso baixo, acessibilidade, além de não precisar de plataforma para embarque e desembarque.

Uma das vantagens do VLP, ressaltada durante apresentação para a prefeitura de Curitiba, está nos veículos: “além de confortáveis e silenciosos, não emitem poluentes e são modulares, ou seja, podem operar com três ou mesmo seis unidades conectadas, o que eleva automaticamente sua capacidade de transporte”, explicou Ricardo Ochoa, da NTL. A capacidade de transporte do VLP é quase duas vezes maior que a dos BRTs: pode chegar a 25 mil passageiros por hora. Além disso, segundo a empresa, representa 75% menos custo do que um metrô, além de a instalação ser três vezes mais rápida.

Agora, a Prefeitura e o Instituto de Pesquisa e Planejamento de Curitiba vão analisar cada uma das propostas e considerar a ideia que melhor atende a integração metropolitana.

“Como acredito que o sonho não conhece o medo, vou me lançar na ideia da inovação do sistema de transporte de Curitiba, renovando a tecnologia e buscando a conectividade da cidade”, afirmou o prefeito Rafael Greca sobre a escolha do projeto vencedor.