Esperômetro vai medir tempo de espera por ônibus em São Paulo para ajudar a qualificar o serviço

(Foto: Mariana Gil/WRI Brasil Cidades Sustentáveis)

(Foto: Mariana Gil/WRI Brasil Cidades Sustentáveis)

O ritmo nas cidades se intensifica cada ano e o trânsito reflete o momento vivido nos grandes centros urbanos com o aumento populacional. Em São Paulo, a maior cidade do país, o cidadão passa, em média, o equivalente a um mês e meio parado no trânsito por ano. Segundo pesquisa realizada pelo Ibope, os usuários do transporte coletivo na metrópole gastam 3h11 diárias em deslocamentos. Criado para qualificar e avaliar os sistemas de ônibus da cidade, o aplicativo Esperômetro pode contribuir para a melhora do serviço.

A necessidade que já existe – e que se tornará ainda mais crucial no futuro – de trazer mais pessoas para o transporte coletivo e tirar os carros das ruas exige que o serviço forneça, principalmente, segurança e confiabilidade. Com novas tecnologias, que oferecem aos usuários de smartphones uma gama infinita de informações, essa missão parece estar um pouco mais fácil de cumprir.

O Esperômetro, ferramenta desenvolvida pelo Aplicativo Coletivo, possibilita a troca de informações de usuário para usuário, criando um mapeamento de tempos de espera nos pontos de ônibus. A partir da geolocalização, o aplicativo começa a contar o tempo desde a chegada do usuário ao ponto de ônibus até o momento que esse embarca no coletivo.

Um painel de visualização com todos os dados levantados pelo aplicativo ficará disponível no MobiLab, o Laboratório de Mobilidade Urbana da Prefeitura de São Paulo. Segundo Ciro Biderman, Coordenador do MobiLab, “o Esperômetro vem somar mais dados de mobilidade àqueles que já trabalhamos e poderá nos ajudar a melhorar a qualidade do serviço de transporte por ônibus. Quanto mais gente usar o app, melhor será a qualidade deste dado”.

“A falta de informações sobre o transporte público interfere no dia a dia de milhares de pessoas que dependem deste meio para se locomover. Nosso objetivo é utilizar o conhecimento dos passageiros, em conjunto com outras informações de transporte já disponíveis, para desenvolver soluções e ferramentas que auxiliem na resolução de problemas”, avalia Ivo Pons, do Aplicativo Coletivo.

(Foto: Mariana Gil/WRI Brasil Cidades Sustentáveis)

(Foto: Mariana Gil/WRI Brasil Cidades Sustentáveis)

A iniciativa vai ao encontro do que estudos sobre mobilidade urbana indicam. Um deles, a pesquisa Who’s On Board 2016, realizada pela Transit Center, organização com sede em Nova York, afirmou que os principais fatores que garantem a satisfação dos usuários do transporte coletivo são frequência do serviço e tempo de viagem, seguidos de informações em tempo real nas estações ou pontos e confiabilidade do sistema.

“A partir de agora, poderemos saber, de maneira inédita, como a desigualdade em São Paulo se reflete também na mobilidade do paulistano”, disse Oded Grajew, coordenador geral da Rede Nossa São Paulo, parceira da iniciativa. Pesquisas também indicam que investir em mais usos para os dados gerados pelos aparelhos de GPS instalados no transporte coletivo influenciam na economia das cidades, uma vez que servem ao planejamento e incentivam a escolha dos usuários a partir de um serviço de mais qualidade.

Em abril, São Paulo ampliou o Sistema Integrado de Monitoramento (SIM), que fiscaliza a atividade das empresas de ônibus e das ex-cooperativas de lotação. O sistema acompanha se todas as partidas em um intervalo determinado foram cumpridas pelos coletivos e se os mesmos saíram na hora certa dos terminais. Dados da SPTrans mostram que, entre 2013 e 2015, foram reduzidas as infrações graves e gravíssimas cometidas no transporte coletivo da capital paulista. Essas infrações englobam problemas como atraso de partidas e descumprimento de viagens programadas.

A tecnologia representa uma chance até então inédita de reparar os velhos erros do transporte coletivo que acabam por afastar as pessoas da mobilidade sustentável. A popularização dos aplicativos, somada à predisposição dos usuários de participar e gerar informações, é o que trará mais pessoas ao transporte coletivo e, por consequência, maiores investimentos no setor. Para ajudar nesse processo, os paulistanos podem baixar o Aplicativo Coletivo na Google Play gratuitamente. O recurso está disponível para celulares que utilizam o sistema Android e, em breve, para os que contam com o sistema iOS.