Qual a influência das cidades na promoção da saúde de seus moradores?

A densidade populacional favoreceu a proliferação de epidemias por algum tempo da história. Ao menos até o século XIX, quando a ciência sobre a transmissão de doenças se estabeleceu e se estruturou no sentido da saúde pública e de medidas sanitárias. Dessa forma, os centros urbanos se tornaram vantajosos à saúde da população. No entanto, a estrutura da cidade e a cultura voltada ao carro motivou doenças intrinsecamente relacionadas ao estilo de vida urbano. Como as cidades podem favorecer ou dificultar a promoção da saúde de seus moradores? é o título do artigo que aborda os tópicos acima, divulgado no recém lançado programa USP Cidades Globais, do Instituto de Estudos Avançados (IEA).

Congestionamento_no_Vale_do_Anhagabaú

(Foto: Henrique Boney/WikiCommons)

O Programa foi lançado recentemente e apresentado com o objetivo de buscar “a qualidade de vida dos paulistanos por meio de redes de pesquisa e parcerias com a sociedade”. As atividades de pesquisa “deverão embasar políticas públicas voltadas à qualidade de vida nas grandes cidades”, diz a USP. Com isso, São Paulo ganha um programa de pesquisa que direciona esforços para entender as cidades em suas várias dimensões – mobilidade, poluição, educação, saúde, uso e ocupação do solo e lazer.

Doenças urbanas

Hipertensão arterial, diabetes tipo 2 e obesidade. Mais: estresse emocional, asma e doença pulmonar obstrutiva crônica. Além disso, a exposição à poluição do ar, se prolongada, eleva o risco de câncer de pulmão e de morte por doenças cardiovasculares e respiratórias.  Todas são doenças contemporâneas comuns, resultado da movimentação massiva em direção aos centros urbanos. Nas favelas e periferias – que também são parte da cidade e do cenário urbano –, apesar do menor acesso, existem regiões sem saneamento básico, o que favorece a proliferação de doenças infecciosas nas ocasionais enchentes.

A pesquisa liderada pela Faculdade de Medicina da USP e pelo Hospital das Clínicas da cidade leva em consideração os impactos que esse quadro de enfermidades representa. No entanto, ainda na introdução atesta que “o desafio de moldar cidades que promovam a saúde de seus moradores é complexo e requer esforço multidisciplinar para muito além das competências atuais atribuídas ao setor de saúde no Brasil”.

Por esse motivo, as relações entre cidade e saúde coletiva são analisadas, no estudo, a partir de cinco tópicos: 1) transporte, mobilidade e atividade física; 2) produção urbana de alimento; 3) ilhas urbanas de calor; 4) conforto térmico e qualidade do ar de ambientes fechados; e 5) saneamento. Tópicos propostos por um estudo publicado na Lancet sobre a formação de cidades para a saúde, a complexidade e o planejamento de ambientes urbanos no Século 21 – disponível aqui. Abordaremos o primeiro tópico.

Transporte, mobilidade e atividade física

Carros diminuem a atividade física. Além de contribuírem para o isolamento social, “causam estresse e a perda de horas de descanso, lazer e trabalho, devido aos congestionamentos. Além disso, colaboram significativamente para a poluição do ar e sonora, e acidentes por automóveis provocam a morte de milhares de pessoas todos os anos”, afirma a publicação.

O resumo é que carros são prejudiciais – e sim, isso é dito muitas vezes. Ainda assim, a maneira como as cidades latino-americanas se organizaram, com a população mais pobre morando nas periferias, torna rotineiro e intenso o movimento pendular em direção aos centros. Isso, aliado à ineficiência dos transportes coletivos que alcança boa parte das cidades brasileiras, faz com que o carro particular se torne sinônimo de mobilidade e conforto. Ainda que seja para enfrentar usuais congestionamentos.

Em São Paulo, segundo o artigo, o custo anual da imobilidade equivale a 7,5% do PIB da cidade, com impactos significativos para a saúde dos moradores. “Os veículos automotores são os principais responsáveis pelos altos índices de poluição do ar aos quais os paulistanos estão expostos. Estima-se que a poluição do ar em São Paulo reduza em cerca de 3,5 anos a expectativa de vida média desta população”, afirma o texto.

A saúde dos cidadãos, no entanto, não é afetada apenas pelo tempo perdido em congestionamentos e pela exposição à poluição. A estrutura urbana é conveniente ao carro, não a vida humana, o que resulta em menos crianças na rua e adultos que saem de casa para ir ao trabalho, e depois efetivam o movimento contrário. A obesidade, então, se torna consequência da falta de atividade. Por esse motivo, os pesquisadores pontuam que a solução passa por integrar o transporte ativo, com ciclovias, por exemplo, a um transporte urbano que seja eficiente no deslocamento e sustentável para todos.

Em suma, o transporte ativo não é apenas um meio de reduzir a poluição do ar e as mudanças climáticas a médio e longo prazos, mas também uma forma de melhorar a saúde de milhões de pessoas a curto prazo.

Jovens se divertem com o sistema de bicicletas públicas do Rio. (Foto: Mariana Gil / EMBARQ Brasil)

(Foto: Mariana Gil / EMBARQ Brasil)