Fortaleza e a segurança viária: iniciativas da capital cearense para priorizar a bicicleta

(Foto: Paula Tanscheit/WRI Brasil Cidades Sustentáveis)

Bicicletas de uso gratuito e integradas à rede de transporte coletivo da cidade. A proposta do programa Bicicleta Integrada, lançado em Fortaleza em primeiro de junho, chama a atenção pelo avanço. Pioneiro no país e sem custo para os usuários, o novo sistema foi planejado com o objetivo de integrar dois dos principais modos de transporte sustentável: bicicletas e ônibus.

A capital cearense já contava com o Bicicletar, programa de compartilhamento de bicicletas semelhante aos de outras capitais brasileiras, e agora dá um passo à frente na priorização do modo. Para utilizar as bicicletas do novo programa, basta ter o Bilhete Único, cartão utilizado na cidade, e fazer o cadastro no sistema. Uma vez retirada a bicicleta, o usuário pode permanecer com ela por até 14 horas – o que implica a possibilidade de retirar a bike depois do trabalho, por exemplo, ir para casa com ela, e devolvê-la na manhã seguinte. Além disso, nos fins de semana e feriados, as horas não são computadas, de forma que as bicicletas retiradas a partir das 17h de uma sexta ou véspera de feriado podem ser devolvidas até as 9h do dia útil subsequente.

A estações terão espaço para em média 50 bicicletas cada e serão instaladas em terminais de integração, como é o caso do Terminal da Parangaba, que recebeu a primeira estação inaugurada. O entorno será equipado com as infraestruturas cicloviárias necessárias para o uso das bicicletas, como paraciclos. O novo programa é uma entre as ações previstas no Plano Diretor Cicloviário, lançado pela cidade em setembro de 2015.

Cidade segura

Ao lado de São Paulo, Fortaleza está entre as dez cidades selecionadas em 2015 pela Bloomberg Philanthropies para fazer parte de sua Iniciativa para a Segurança Viária Global. Desde então, a capital cearense vem trabalhando na implementação de uma série de medidas para qualificar e priorizar o transporte ativo e intensificar a segurança viária, a fim de evitar acidentes e salvar vidas no trânsito.

O Plano Cicloviário foi traçado a partir da visão de Fortaleza para o futuro: ser reconhecida como a cidade mais ciclável do Brasil. Para isso, foram estabelecidos metas e prazos e as medidas necessárias para atingi-los. No que diz respeito à malha cicloviária, o objetivo é triplica-la em quatro anos e alcançar a marca de 524 quilômetros de rotas para ciclistas. Atualmente, a cidade conta com 155 quilômetros; até o final do ano, essa extensão deve chegar a 216 quilômetros.

(Imagens: Prefeitura de Fortaleza)

Readequação da infraestrutura cicloviária existente, implantação de bicicletários e paraciclos, ações de educação incentivo e fiscalização e a criação de uma coordenadoria de gestão cicloviária são outros tópicos estabelecidos pelo Plano.

O programa Bicicletar, sistema de compartilhamento de bicicletas convencional da cidade, começou a operar também em 2015. Com 80 estações e quase 900 mil viagens registradas em um ano e meio de operação, o sistema é o mais utilizado do Brasil entre as capitais. Contagens volumétricas nas principais ciclovias também apontaram para o crescente número de ciclistas e a demanda existente por esse tipo de serviço. Assim, todos os domingos, são liberados dez quilômetros de ciclofaixas de lazer, entre as 7h e as 13h, por onde circulam cerca de quatro mil ciclistas.

(Infográfico: Prefeitura de Fortaleza)

Tanto para as bicicletas quanto para a segurança viária de forma mais ampla, o cenário em Fortaleza é promissor. Por meio do Programa de Ações Imediatas de Trânsito e Transportes (PAITT), a cidade também introduziu outras medidas em prol da segurança viária. Já foram implementados 17 prolongamentos de calçadas em pontos estratégicos, nove travessias elevadas, faixas diagonais (duas concluídas, duas em andamento), além de uma área de trânsito calmo na Rua Alexandre Baraúna, compreendendo quatro quarteirões entre as ruas Capitão Francisco Pedro e Papi Júnior, onde o limite de velocidade será de 30 km/h.

Em todo o mundo, cidades tidas como referências no uso da bicicleta como meio de transporte, como Copenhague e Amsterdã, não chegaram aonde estão hoje ao acaso ou de um dia para o outro. São décadas de trabalho, conscientização e implementação de infraestruturas para de fato priorizar o transporte sustentável e transformar o ambiente urbano. Fortaleza já deu início a esse processo. Se o trabalho feito até aqui seguir avançando, podemos esperar uma cidade mais humana, segura e sustentável no futuro.

Ciclovia contornando o ponto de ônibus na orla, em Fortaleza (Foto: Ezequiel Dantas)

Faixa de pedestres na diagonal (Foto: Mariana Gil/WRI Brasil Cidades Sustentáveis)