Além das emissões: cinco cidades alcançam o desenvolvimento social e econômico com o transporte de baixo carbono

Vélib, sistema de compartilhamento de bicicletas de Paris. (Foto: mariordo59 / Flickr)

Post escrito por   e   e publicado originalmente no TheCityFix

***

O transporte de baixo carbono tem muitos benefícios sociais e econômicos que podem acelerar o desenvolvimento sustentável e merecem o reconhecimento além de seu papel nas mudanças climáticas. Uma nova série de publicações do grupo de trabalho de transporte Low Emissions Development Strategies Global Partnership’s (LEDS GP) destaca estudos de caso que trazem evidências das diversas vantagens sociais e econômicas do transporte de baixo carbono, desde a criação de emprego até a economia de tempo e dinheiro, passando por combater a pobreza e tornar as vias mais seguras e o ar mais limpo.

Confira cinco cidades que estão maximizando esses benefícios e liderando este caminho:

BRT gera economia anual de US$ 14 milhões para Guangzhou, na China

O bus rapid transit (BRT) ajuda na redução de tempo e dinheiro gastos em transporte, corta os investimentos que um governo precisa fazer em operações e diminui as emissões de gases de efeito estufa (GEE). Com cerca de 12 milhões de pessoas na região metropolitana de Guangzhou, a cidade sofreu com a superlotação do sistema de ônibus e congestionamentos diários. Inaugurado em 2010, o BRT transporta 850 mil passageiros por dia e conseguiu promover uma mudança na escolha da população a ponto de reduzir de 10 a 15% nas viagens em carros particulares. Estes ônibus de alta capacidade se locomovem 29% mais rápido do que se estivessem no trânsito da cidade antes do BRT, reduzindo o consumo de combustível e tornando as operações mais eficientes. Além de gerar uma economia anual de 14 milhões de dólares e reduzir 86 mil toneladas de CO2 por ano, os próprios passageiros economizaram 103 milhões nos custos de viagem e 30 milhões em horas de viagens ao longo dos anos.

Vélib, o sistema de compartilhamento de bicicletas de Paris, emprega 400 pessoas

Uma ampla gama de empregos, tanto em construção, gestão, vendas e serviços, pode ser criada com a adoção de transporte de baixo carbono. Com uma taxa de desemprego em 6,6% em Paris e com um grande número de jovens entre eles, o Vélib procura trazer uma pequena solução ao providenciar 400 empregos para os jovens da cidade, tanto em período integral quanto meio turno. Os funcionários têm formações variadas e ocupam vagas em serviços, armazéns e call center. Enquanto o Vélib já tem cerca de 20.600 bicicletas em 1451 estações espalhadas pela cidade, o governo municipal exerce um crescente papel de apoio para criar um ambiente bike friendly, desenvolvendo campanhas de segurança viária, zonas de velocidade reduzida e 125 milhas de novas pistas de bicicleta para mais conectividade. Isso ajudou a aumentar o número de ciclistas em 70% desde o começo do Vélib, reduzindo as emissões em 32.330 toneladas de CO2 por ano.

O BRT de Ahmedabad irá prevenir 77% das fatalidades no trânsito até 2040

Ao redor do mundo, os veículos privados causam cerca de 70% de todas as lesões relacionadas ao trânsito e estima-se que os acidentes de trânsito serão a terceira maior causa de mortes prematuras até 2020, resultado da rápida motorização. Com o foco em segurança e acesso para pedestres e ciclistas, o transporte de baixo carbono pode aumentar a segurança viária nas cidades. Por exemplo, mudanças estratégicas – estações protegidas, com pontos de estradas e saídas designados, com embarque em um nível seguro para acesso aos ônibus – no Janmarg, sistema de BRT de Ahmedabad, na Índia, levaram a um nível positivo de segurança de 79%. Desde 2009, Janmarg transporta mais de 140 mil passageiros diariamente e deve reduzir um terço das emissões totais de CO2 da cidade até 2040, um total de 84% na base.

Taxação do congestionamento de Estocolmo reduz partículas de materiais perigosos em 10%

O consumo de combustível fóssil por transporte motorizado libera gases que contêm partículas perigosas para a saúde humana e prejudiciais para o clima. No entanto, o sistema de taxação do congestionamento de Estocolmo mostra como as cidades podem diminuir a poluição dos veículos para frear a mudança climática. A partir da cobrança do tráfego em horários de pico nas zonas propensas a congestionamento, a cidade é capaz de distribuir o fluxo de veículos uniformemente ao longo do dia e cortar os bloqueios de estrada. Veículos privados são cobrados em 15 coroas suecas ($ 1,77) em dias úteis e o dobro durante a noite e horas mais movimentadas da manhã. Isso estimulou em cerca de 9% o aumento do uso de transporte coletivo em comparação a 2005 e cerca de 18% na redução do tráfego em relação a 2011. Ao todo, significa uma redução de 9% no material particulado e 7% no monóxido de oxigênio, o que gera receitas diárias de $ 500 mil a 2,7 milhões para a cidade. Esta verba é reinvestida para expandir as pistas de bicicleta e linhas de ônibus.

BRT de Lagos, na Nigéria, reduz os custos de transporte para famílias pobres em 6%

A chave para o transporte de baixo carbono é conectar grupos com baixos rendimentos a oportunidades sociais e econômicas em suas cidades de maneira transparente. O BRT-Lite, sistema de BRT da cidade de Lagos, na Nigéria, oferece um serviço de alta-qualidade, eficiente e acessível para a população local, cuja maioria vive na pobreza. Lagos é a cidade com o crescimento mais rápido na Nigéria, e a alta taxa de veículos privados resultou em um congestionamento de 27.500 veículos por dia nas ruas da cidade. Em média, um morador de Lagos gasta cerca de 17% de seus rendimentos em veículos privados, ônibus ou serviços de micro-ônibus. O BRT ajudou a reduzir este gasto para famílias pobres de 17% para 11%, já que a tarifa é 30% mais barata do que as do transporte coletivo tradicional.

Essas cinco histórias da série do LEDS GP demonstram como as cidades podem acelerar o surgimento de benefícios sociais e econômicos para aqueles que optarem por políticas e projetos de transporte de baixo carbono. Muitos outros líderes nacionais e subnacionais deveriam anotar estes exemplos inspiradores, inovando e habilitando o transporte de baixo carbono a partir de maiores investimentos, parcerias público-privadas, novos enquadramentos regulatórios e mais participação popular.