Uma forma de medir a segurança viária sem esperar que acidentes aconteçam

Bogotá, Colômbia (Foto: Dario Hidalgo)

Esse post foi originalmente publicado no TheCityFix e baseado na pesquisa de  e .

 ***

Com o intuito de qualificar a segurança viária, tomadores de decisão precisam de informações precisas sobre as ruas de suas cidades. Tradicionalmente, análises de segurança viária têm sido baseadas em dados históricos de acidentes reais. No entanto, a inconveniência dessa abordagem baseada em acidentes é justamente por ser algo reativo – temos de esperar os acidentes acontecerem para tentar preveni-los. E em países em desenvolvimento, esses dados são muitas vezes de má-qualidade e limitados.

Em vez de analisar falhas passadas, uma abordagem mais proativa é analisar conflitos de tráfego. Um conflito de tráfego é um cenário que poderia ter resultado em um acidente, mas não o fez porque o motorista tomou alguma ação – diminuindo a velocidade, mudando de direção ou buzinando. Uma das principais vantagens de se pensar sobre conflitos de tráfego em vez de acidentes é que eles ocorrem com mais frequência, tornando possível a realização de estudos em um período de tempo muito mais curto. Em uma situação de alto tráfego, apenas algumas semanas dias são necessárias para recolher dados suficientes para uma análise baseada em conflito, enquanto que uma abordagem tradicional à base de acidentes exigiria um mínimo de três a cinco anos.

Por causa dessa flexibilidade, mais cidades deveriam usar análises de conflito como uma maneira de medir e analisar a segurança viária.

Melhores tecnologias ajudaram a melhorar a precisão das análises

Porque o processo de um grave conflito é quase idêntico a um sério acidente, analisar conflitos de tráfego pode auxiliar na compreensão sobre como os acidentes acontecem. Quando pesquisadores apenas analisam acidentes, que são infrequentes se comparados aos conflitos, eles estão apenas olhando o topo do iceberg. Levar em conta os conflitos permite uma visão muito mais holística da situação da segurança viária.

Pirâmide da Segurança – Teoria de Hyden (adaptado de Hyden, 1987)

Apesar de serem necessários mais estudos, as poucas pesquisas de conflito que existem têm sido capazes de prever acidentes com tanta precisão quanto aquelas que analisam dados de um histórico de acidentes. Esses estudos têm sido particularmente precisos para situações envolvendo pedestres ou que resultem em ferimentos ou mortes.

Os primeiros estudos de conflito de tráfego necessitam de uma equipe de observadores humanos treinados que possam reconhecer, avaliar e registrar a frequência e a gravidade potencial de conflitos de tráfego. No entanto, esse tipo de observação manual pode exigir muito tempo e às vezes levar a dados variáveis. Por esse motivo, os pesquisadores têm, cada vez mais, automatizado o processo de análise de conflitos de tráfego, utilizando sensores de baixo custo para criar uma análise baseada em vídeo. Os sensores gravam as informações do registro sobre o tráfego de forma contínua e usam um software sofisticado para mapear as trajetórias de todos os usuários da estrada. Além disso, os pesquisadores muitas vezes podem simplesmente usar a infraestrutura de câmeras de segurança existente nas cidades, assim, o custo para coletar dados de tráfego é reduzido. Não é necessário que sejam sistemas caros e complexos.

Colocando a teoria em prática – O exemplo de Bogotá

Em parceria com a Brisk Synergies, um time do WRI Ross Centro para Cidades Sustentáveis está conduzido um estudo piloto utilizando monitoramento de conflitos a partir de vídeo em Bogotá, Colômbia.

Conflitos de interesse: Movimento A: envolve um veículo (ou moto) fazendo mudança de faixa da direita para esquerda vs. através do tráfego (ou moto); e Movimento B: envolve um veículo (ou moto) fazendo mudança de faixa da esquerda para a direita versus o tráfego de trânsito (ou moto).

O local escolhido para o estudo piloto foi uma seção leste da Calle 80, uma popuplar rua arterial, que se estende de leste a oeste através da cidade. Uma lacuna de 40 metros de comprimento elevada na rua permite que os motoristas mudem de faixa e, apesar de marcações de estrada indicando uma fusão de mão única, é comum que os motoristas sigam em ambas as direções (esquerda para a direita e da direita para a esquerda). De 2011 a 2015, seis falhas foram registrados ao longo deste segmento curto, dois dos quais resultaram em ferimentos graves e quatro que resultaram apenas em danos materiais.

Os dados de vídeo foram coletados com câmeras GoPro HERO4 configuradas em resolução HD e 30 quadros por segundo. Por um período de duas horas, a câmera foi posicionada temporariamente em uma passagem de pedestres.

Os resultados dos conflitos analisados durante essas duas horas foram:

  • 6,8% dos motoristas detectados e rastreados fizeram mudanças de faixa
  • 72,7% de todos os motoristas que mudaram de pista se envolveram em algum tipo de conflito

Mapas de calor

A partir desta análise, a equipe de pesquisa criou mapas de calor para rastrear onde os conflitos ocorreram. Esses mapas mostraram que os conflitos ocorreram muito perto da pista central, sugerindo que muitos motoristas ficam presos na pista próxima à mediana espera de uma oportunidade para a troca de pista. A curta distância desta lacuna e as altas velocidades de viagem indicam que fechar a lacuna da rua em questão poderia ajudar a melhorar a segurança.

Equipamento utilizado pelos autores para a realização do estudo

Mudando o paradigma em torno das melhorias de Segurança Viária

Apesar das muitas vantagens de análise de conflitos, muitos analistas de segurança viária perdem por não compreender a oportunidade, limitando a aceitação de métodos não-baseados em acidentes. No entanto, com ampla aceitação da comunidade internacional de desenvolvimento do programa Visão Zero para melhorar a segurança viária, as cidades não devem esperar os acidentes acontecerem, para então analisar e corrigir áreas perigosas. Dadas estas inovações recentes na tecnologia, as cidades devem adotar uma abordagem de análise de conflitos para compreender melhor o ambiente urbano e melhorar a segurança para todos.