No Dia Mundial da Bicicleta, 10 motivos para celebrá-la

Ciclovia em Belo Horizonte (Foto: Mariana Gil / WRI Brasil Cidades Sustentáveis)

Em 19 de abril, é celebrado o Dia Mundial da Bicicleta. Um dos meios de transporte mais utilizados do mundo, ela também é símbolo de desenvolvimento e de um futuro mais sustentável para as cidades.

São muitos os estudos e dados que comprovam a sua importância para a mobilidade urbana e a vida das pessoas, mas separamos 10 conteúdos do TheCityFix Brasil para exaltar ainda mais a homenageada do dia. Confira!

1. Se a bicicleta fosse inventada hoje

Já pensou se tivéssemos vivido até aqui sem conhecer o potencial das bikes? Em artigo publicado no O Globo, Pablo Hess comenta que, provavelmente, elas surgiriam como a solução para o modelo urbano atual, uma opção que ocupa menos espaço, não polui e, de quebra, ainda faz bem à saúde. Pois então: ela é tudo isso mesmo, só não é mais novidade.

2. 300 anos contados em um minuto

Evolution of the Bicycle from Visual Artwork on Vimeo.

E para mostrar que, apesar de não ser novidade, a bicicleta já evoluiu muito, uma animação de Thallis Vestergaard mostra como os modelos passaram da base de madeira até os modelos mais modernos.

3. 10 cidades onde as bicicletas comandam

A preocupação com o meio ambiente e o papel que a bike pode exercer nesse sentido já causaram mudanças ao redor do mundo. Algumas cidades, no entanto, parecem já estar muito mais adiantadas nesse sentido. Essa é a realidade em Nova York, Montreal e, claro, Amsterdã, por exemplo. Veja a lista completa.

4. Antes e depois das ciclovias em Nova York

Aliás, falando em Nova York, a cidade mostra como as bicicletas estão ajudando a ampliar o conceito de mobilidade. Segundo o relatório Protected Bicycle Lanes in NYC (Ciclovias Protegidas em Nova York, em tradução livre), do Departamento de Transportes da Cidade de Nova York, é possível manter a velocidade média do trânsito de automóveis mesmo com a implementação das ciclovias. Segundo o relatório Protected Bicycle Lanes in NYC (Ciclovias Protegidas em Nova York, em tradução livre), do Departamento de Transportes da Cidade de Nova York, é possível manter a velocidade média do trânsito de automóveis mesmo com a implementação das ciclovias.

Por exemplo, em lugar de aumentar o trânsito, a instalação da ciclovia na Columbus Avenue fez com que o tempo de deslocamento dos carros diminuísse em 35% no trecho em que foi construída.

5. A evolução dos sistemas bikeshare

Para estimular que as pessoas andem mais de bicicleta, um dos métodos que tem funcionado é o bikeshare. Em 1965, foi lançado em Amsterdã aquele que é considerado o primeiro sistema na história, o Witte Fietsen (em inglês, White Bikes). Mas é só partir dos anos 2000, e na última década em particular, que o número de cidades operando programas do tipo cresceu exponencialmente: de apenas 13 em 2004 para 855 em 2014 – um aumento de nada menos que 6.477%.

6. Quatro aplicativos para ciclistas

Seja para evitar os percalços que algumas rotas apresentam, monitorar treinos, calcular o consumo de calorias ou a distância dos trajetos percorridos, a tecnologia também está ao lado dos ciclistas. Em um post da série Nossa Cidade, sugerimos quatro apps que facilitam a vida de quem usa a bicicleta no dia a dia.

7. O perfil do ciclista brasileiro em 2015

Mas como são as pessoas que optaram por incluir a bike em sua rotina? Para buscar essas informações, a pesquisa “Perfil do Ciclista Brasileiro 2015”, produzida pela Transporte Ativo, entrevistou mais de 5 mil ciclistas em dez diferentes cidades brasileiras: Aracaju, Belo Horizonte, Brasília, Manaus, Niterói, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo.

Alguns dados curiosos foram expostos pela pesquisa. Um deles é que o impacto ambiental, o fator saúde, ou o barateamento do custo de transporte não faz parte da motivação inicial para 42,9% dos ciclistas entrevistados. A rapidez e praticidade, no entanto, são apresentadas como fatores primários para os novos ciclistas urbanos. Outro dado impactante é que 61,8% dos entrevistados começaram a usar a bicicleta há menos de 5 anos, o que evidencia a propulsão desse meio de transporte no período.

8. Cidades com mais ciclistas são mais felizes, ricas e criativas

Outro estudo, dessa vez realizado nos Estados Unidos, revelou que cidades preparadas para receber os ciclistas com conforto e segurança têm níveis de qualidade de vida e renda maiores do que aquelas sem infraestrutura para as bikes. Ao comparar o percentual de ciclistas em cidades norte-americadas com seus índices de renda e bem-estar, o resultado mostrou que que centros urbanos com boas proporções de pessoas que pedalam para ir ao trabalho têm índices de qualidade de vida superior, assim como uma média salarial maior.

9. Investimento em infraestrutura cicloviária pode gerar economia de US$ 25 trilhões às cidades

E não só as pessoas têm vantagens com o uso da bicicleta, mas também as cidades podem sentir isso diretamente no lado financeiro. De acordo com o estudo A Global High Shift Cycling Scenario, publicado em novembro de 2015, se o resto do mundo atingisse apenas um quarto dos números de Amsterdã no que diz respeito ao uso da bicicleta, as cidades poderiam gerar uma economia de 700 bilhões de dólares por ano – o equivalente a 25 trilhões entre 2015 e 2050.

10. Vídeo: Energia das pedaladas produz strip-tease digital

Para fechar nossa lista em homenagem à bicicleta, vamos relembrar essa divertida ação que unia as pedaladas do pessoal para criar um strip-tease em plena praça pública. Além de ajudar a criar um momento superdivertido, os participantes ainda queimavam 2 mil calorias. Nada mal, não é?

Clique aqui para ver mais conteúdos sobre bicicleta no TheCityFix Brasil.