França prevê a pavimentação de mil quilômetros de estradas com painéis solares

Em parceria público-privada, governo francês anuncia projeto de estradas solares (Foto: Joachim Bertrand/Colas)

As fontes de energia renováveis, cada vez mais visadas como alternativa necessária e sustentável, devem liderar o crescimento do mercado de energia até 2020. A estimativa é de que, nesse período, as novas fontes somem 700 gigawatts na geração de eletricidade em todo o mundo. Dados do relatório anual de mercado de energia renovável da Agência Internacional de Energia (AIE) mostram que só a China será responsável por 40% desse crescimento e por quase 1/3 dos novos investimentos até 2020.

Os países em desenvolvimento terão papel de destaque nesse processo, como evidenciado pelo relatório, mas isso não quer dizer que os desenvolvidos não terão participação no movimento. Ségolène Royal, Ministra de Energia e Ecologia da França, anunciou no início deste ano uma nova proposta do governo francês: pavimentar mil quilômetros de estradas com painéis solares.

O projeto é resultado de uma parceria público-privada entre a empresa de infraestrutura de transportes Colas e o Instituto Nacional de Energia Solar da França (INES). O pavimento Wattway, como foi chamado, consiste em painéis fotovoltaicos de aproximadamente 15 centímetros de largura e apenas sete milímetros de espessura. As placas são feitas de uma fina película de silício policristalino e revestidas por um substrato de resina que as torna resistentes ao tráfego contínuo de veículos.

 

 

O estudo prévio realizado pela Colas constatou que as rodovias selecionadas para receber os painéis não registram tráfego intenso de veículos durante longos períodos. Dessa forma, as placas expostas ao sol absorvem calor e produzem energia – calcula-se que uma extensão de quatro metros apenas pode fornecer energia suficiente para abastecer uma casa média. Os painéis ainda estão em fase testes, mas, se o processo ocorrer conforme previsto, os mil quilômetros que receberão o pavimento serão capazes de atender a demanda de energia de cinco milhões de pessoas, aproximadamente 8% da população da França.

Outro exemplo de investimento em “pavimentação solar” é o projeto SolarRoad, que deu origem à primeira ciclovia solar do mundo, na cidade de Krommenie, na Holanda. Em apenas seis meses de teste a rota de sete quilômetros, inaugurada em novembro de 2014, gerou mais de 3.000 kWh, o suficiente para um “scooter elétrico dar 2,5 voltas ao redor do mundo ou para abastecer com eletricidade uma casa por um ano”, conforme informações do Planeta Sustentável.

Ciclovia solar na Holanda já gerou mais de 3 mil kWh (Foto: SolarRoad/Reprodução)

(Fonte: Exame)