Friday Fun: Designer usa o nariz para mapear as cidades

Já imaginou sair por aí cheirando toda a cidade para criar um mapa dos cheiros? Apesar de parecer improvável, essa é a ideia que teve a designer britânica Kate McLean. Sim, ela coleta dados para mapear as cidades por meio do olfato. O método pouco convencional é utilizado pela designer como forma de ressaltar as interpretações alternativas dos lugares. Dessa forma, Kate acredita fornecer um retrato alternativo e rico dos ambientes, com a diferenciação que só a experiência sensorial pode detectar.

Amsterdã, Nova York, Pamplona, Milão, Glasgow e Paris foram algumas das cidades mapeadas pelo nariz de Kate. Em Amsterdã, por exemplo, foram registrados 650 odores diferentes, com a ajuda de 44 pessoas que fizeram dez caminhadas cada, em percursos de 45 minutos, em média, durante alguns dias na primavera de 2013. Os aromas da estação aparecem nos gráficos representados pelas flores, folhas e outros cheiros liberados pelo calor. Confira abaixo:

(Imagem: Sensory Maps/Divulgação)

Mas nem sempre cheiramos flores nos centros urbanos. Em Nova York foram identificados os seguintes odores: água parada, perfume barato e óleo automotivo. Um dos trechos foi considerado pela New York Magazine a quadra mais fedida de toda a cidade e Kate foi com seu nariz investigar quais eram as origens do mal cheiro.

O olfato é comumente deixado de lado quando tratamos de memória cognitiva. Alguns estudos destacam inclusive a lacuna que o marketing deixa de preencher quando ignora totalmente o fato de que sentimos cheiros. Sim, o marketing olfativo existe.  A ligação emocional com os cheiros é forte. Inclusive, o primeiro lugar mapeado por Kate foi Paris, escolhida pela conectividade emocional de suas fragrâncias. Cheirar passivamente é o que fazemos rotineiramente, mas exercitar nossos narizes pode dizer muito sobre os lugares pelos quais passamos. Desde as atividades produtivas locais, geografia e da gastronomia.

(Foto: Divulgação)

Veja mais mapas no Sensory Maps.

Com informações do blog OutraCidade.