O Compacto de Prefeitos e o protagonismo das cidades na luta contra as mudanças climáticas

Quando o assunto é mudanças climáticas uma resposta efetiva por parte dos líderes locais é cada vez mais procurada. São os prefeitos que possuem autoridade para aprovar ações de redução de emissões e adaptar seus municípios aos riscos – muitas vezes, sem depender de outros níveis de governo.

Como se sabe, as cidades são responsáveis por 70% das emissões mundiais de carbono relacionadas à energia. Por isso, o protagonismo dos municípios nessa porcentagem nociva ao planeta aliado à autoridade que possuem para reivindicar uma mudança efetiva das atuais condições levaram à criação de uma aliança entre líderes locais, uma plataforma comum para que pudessem captar ações coletivas das cidades contra as mudanças climáticas: o Compacto de Prefeitos.

compact

A iniciativa surgiu a partir de três redes globais de cidades, a C40, ICLEI e CGLU (veja o infográfico abaixo). O evento de lançamento aconteceu na Cúpula Climática da ONU, em 2014, em parceria com o Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, seu Enviado Especial para as Cidades e Mudanças Climáticas, Michael Bloomberg e com a ONU-Habitat. (Infográfico: WRI Brasil Cidades Sustentáveis)

Hoje, o Compacto de Prefeitos é a maior coalizão global de Prefeitos e cidades para enfrentar a mudança do clima. O Compacto serve como um acordo para que as cidades se conectem por meio de uma abordagem transparente e cooperativa. O objetivo de todas deve ser traçado para reduzir as alterações climáticas, sempre de forma coerente e complementar aos esforços em nível nacional. As intenções e os esforços dos Prefeitos são valorizados pela coalisão e os compromissos firmados pelas cidades para reduzir as Emissões de Gases de Efeito Estufa são ampliados para que as outras cidades da aliança possam se inspirar a seguir bons exemplos.

A maior iniciativa de articulação de cidades do mundo reúne lideranças municipais que se comprometeram a reduzir suas emissões, mapear o progresso e se preparar com consistência para os efeitos das mudanças no clima. Eventos como a II Jornada sobre Cidades e Mudanças Climáticas, organizada pelo ICLEI, em Fortaleza, ressalta e fomenta o debate em torno do compromisso assumido pelas cidades signatárias do Compacto. O WRI Brasil Cidades Sustentáveis foi parceiro do encontro.

Holger Dalkmann, Diretor de Estratégia e Política do WRI Ross Center for Sustainable Cities, foi o moderador da sessão O Compromisso das Cidades. “O problema [das mudanças climáticas] precisa da união entre o setor público, o setor privado e a sociedade. Voltamos de Paris com um acordo forte; as lideranças municipais precisam ser, agora, igualmente fortes para que possamos implementar as mudanças necessárias”, destacou Dalkmann.

Por que o Compacto de Prefeitos é único?

 1.Amplitude
O Compacto surgiu a partir de três iniciativas de redes que conectam cidades globalmente. Baseia-se em propagar iniciativas de sucesso para ampliar o impacto e dar destaque ao combate às mudanças climáticas.

 2.Padronização
O Compacto de Prefeitos estabelece uma abordagem universal para coleta e medição de dados. Pela primeira vez, a forma como as cidades divulgam seus dados referente ao clima será igual entre elas.

 3.Dados abertos
As cidades precisam reportar seus dados climáticos e ações de mitigação por meio de duas plataformas principais: O CDP e a Carbonn Climate Registry, ambos parceiros dos Compacto. Após, os dados são centralizados e disponibilizados ao público.

Fonte: Guia Compact of Mayors | Infográfico: WRI Brasil Cidades Sustentáveis

(Fonte: Guia Compact of Mayors)