Buenos Aires investe em plano de mobilidade urbana sustentável

Metrobus na Av. 9 de Julio, em Buenos Aires (Foto: Divulgação)

Nos últimos anos, Buenos Aires, capital da Argentina, passou a investir em um plano de mobilidade urbana sustentável. Com ruas redesenhadas e novos sistemas de transporte, a cidade está cada vez mais pensada para as pessoas.

E quem garante isso é Paula Bisiau, diretora de Mobilidade Sustentável do Departamento de Transporte de Buenos Aires. Em passagem pelo Brasil para participar do seminário “Os desafios da mobilidade urbana”, realizado em Campinas pelo World Business Council for Sustainable Development (WBCSD), com parceria do WRI Brasil Cidades Sustentáveis, a autora do blog Impresiones Urbanas apresentou dados relevantes sobre as mudanças realizadas

Paula Bisiau, diretora de Mobilidade Sustentável de Buenos Aires, participou de seminário em Campinas (Foto: Aloha Boeck, WRI Brasil Cidades Sustentáveis)

“Durante os últimos 8 anos, nos quais trabalhei no Departamento de Transportes de Buenos Aires, a pergunta que nos fazíamos era: em que cidade queremos viver? Queremos viver em cidades para pessoas. Não são soluções mágicas, todos temos que trabalhar e procurar uma forma juntos, pensando em nossa cidade, nossa identidade e nas nossas pessoas”, comentou Paula em sua apresentação. Um dos exemplos dessa mudança é a implantação do Metrobus, sistema de BRT, que tem 50,5 quilômetros de extensão e cinco corredores. Em 2015, i projeto foi um dos cinco finalistas na categoria Transporte do prêmio internacional C40, deixando a cidade entre as 94 selecionadas no mundo.

Somente na Av. 9 de Julio, são três quilômetros de extensão que atendem cerca de 255 mil passageiros diariamente. A redução é de até 50% no tempo das viagens. Com a iluminação e a presença policial no local, segundo pesquisa de satisfação, 67% da população se sente mais segura ao caminhar pelas ruas laterais da avenida.

(Foto: Divulgação)

Além disso, o governo investiu na melhor utilização do espaço público e no incentivo ao transporte não motorizado – em cinco anos, foram construídos 155 Km de ciclovias na cidade. O desafio de Buenos Aires é integrar este plano à Região Metropolitana. Todos os dias, 2.950.000 pessoas ingressam na cidade, sendo 55% em transporte público e 45% em transporte individual.

Durante o evento em Campinas, conversamos mais com Paula sobre o plano de mobilidade urbana sustentável de Buenos Aires. Confira:

Qual a motivação para a construção de um projeto como esse?
A principal motivação é poder transformar e melhorar a vida das pessoas. A verdade é que isso é o que nos move todos os dias a seguir trabalhando cada vez mais, tendo ideias inovadoras e para poder fazer as coisas de maneira efetiva e rápida.

Buenos Aires é uma cidade muito turística. Como os visitantes são impactados pelo plano?
Também melhora muito para os turistas, não somente pelo transporte público, que também é uma facilidade, mas porque trabalhamos muito no desenho e nas melhoras do entorno urbano do transporte público. Temos mais informação, mais iluminação e menos acidentes viários, que para o turista também é muito bom.

Além disso, estamos fazendo um Plano de Cidade Legível, que é um plano para que se tenha informação de todos os meios de transporte, que chamamos de informação intermodal, e queremos que ele seja legível universalmente, seja por moradores, turistas, de onde quer que venha.

Qual a perspectiva para os próximos anos, após a eleição de Mauricio Macri como novo presidente da Argentina?
A perspectiva é poder trabalhar na área metropolitana, com a Agência Metropolitana de Transporte, para melhorar a mobilidade de todas as pessoas, que não somente vivem, mas se movem pela cidade de Buenos Aires, e, a nível nacional, poder melhorar as rotas e todos os tipos de transporte que precisam estar mais efetivos. Estamos trabalhando fortemente para isso e acredito que nos próximos quatro anos teremos grandes mudanças e melhoras para os argentinos e para todos os turistas que possar vir nos visitar.