Oslo planeja o fim da circulação de carros no centro

Oslo: medida que proíbe a circulação de carros no centro da cidade deve entrar em vigor a partir de 2019 (Foto: Jonathan/Flickr)

Em três anos, o centro de Oslo deve mudar.

Em outubro do ano passado, a capital norueguesa anunciou a intenção de proibir permanentemente a circulação de veículos no centro da cidade a partir de 2019. A medida, que visa principalmente à redução das emissões de poluentes, é parte de planos da atual gestão que também incluem a construção de 60 quilômetros de ciclovias e investimentos massivos no transporte coletivo.

Dos cerca de 620 mil habitantes de Oslo, estima-se que a população na área central da cidade não passe de mil pessoas. O mesmo padrão repete-se com os carros: entre a frota de aproximadamente 350 mil veículos, a maioria está registrada fora do centro – o movimento na região acontece pelas cerca de 90 mil pessoas que trabalham na região.

Área que deve ser abrangida pela restrição.

No que diz respeito à poluição, a principal meta é reduzir as emissões de gases do efeito estufa em 50% até 2020. Em paralelo, a medida também busca amenizar os congestionamentos. Até 2019, o novo conselho, responsável pelo plano, estima uma queda de 20% no tráfego de veículos na cidade e, em 2030, a intenção é que esse índice alcance os 30%.

Outro objetivo da iniciativa é qualificar o centro da cidade para os deslocamentos de pedestres e ciclistas. Com espaço e segurança para circular, a tendência é que as pessoas usufruam mais e melhor a própria cidade. O movimento do transporte coletivo não será afetado, e os carros ainda terão permissão para circular na área central em situações específicas, como o transporte de pessoas com deficiência e o abastecimento de estabelecimentos comerciais.

Se a proposta se concretizar, Oslo será a primeira capital europeia a adotar a medida em caráter permanente. Em Paris e Madri, cidades que sinalizaram a tendência deram início ao movimento, a prática foi implementada temporariamente – e o resultados já apareceram: na capital parisiense, as emissões caíram entre 20% e 40% em setembro do ano passado, quando 11 bairros fecharam as ruas para os carros.

(Fontes: Reuters, Exame)