BRTData: 200 cidades cadastradas no maior banco de dados global dos sistemas BRT

A importância de trocar ideias

Sabemos dos impactos para a vida humana no planeta caso se concretize a projeção de que o número de veículos chegue a 1,7 bilhão em 2035. Alternativas são procuradas diariamente, o resultado disso é visto em relatórios como  “Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável e a Erradicação da Pobreza”, publicado pela ONU. Nele, é pontuada a necessidade de os governos voltarem suas soluções de mobilidade para sistemas sustentáveis, como o BRT (Bus Rapid Transit). A troca de experiências e boas práticas encurta o caminho para o sucesso. Aprender com cidades que já lançaram seus BRT é passo determinante para implementar um sistema que, de fato, atenda a necessidade da população, conforme indica o relatório da ONU:

“A transferência de tecnologia e conhecimento em transporte deveria ocorrer entre os países em desenvolvimento, por exemplo, para compartilhar experiências na aplicação de soluções de transporte de baixo custo, tais como os sistemas BRT”.

Para quem é familiar à plataforma BRTData compreende o alinhamento imediato com a frase acima, pois, desde o lançamento da ferramenta em 2012, o seu principal objetivo é disponibilizar dados do sistema BRT de todo o mundo para empoderar de conhecimento os tomadores de decisão, pesquisadores, jornalistas e organizações que atuam com mobilidade urbana.

200 cidades

Em 2015 o BRTData completou três anos de existência. Neste ano, além de ser traduzida completamente para funcionar em português e espanhol, a plataforma atingiu a marca de 200 cidades registradas. A cada mês, novos sistemas BRT são inaugurados ou expandidos e isso contribui para a qualidade de vida de milhões de pessoas. Em 2012, o banco de dados apresentava corredores dedicados ou sistemas BRT em 134 cidades do mundo, atendendo em torno de 22 milhões de passageiros por dia. Hoje, três anos depois, de acordo com a última atualização, realizada neste mês, a plataforma contabiliza 32,9 milhões de passageiros em 200 cidades, beneficiados diariamente por 407 corredores que totalizam 5.258 quilômetros de extensão.

A equipe do WRI Brasil Cidades Sustentáveis, mantenedora da ferramenta, sabe da importância não apenas de atualizá-la constantemente, mas da referência que o BRTData se tornou. O site é consolidado como um repositório de dados de acesso público e auxilia profissionais de todos os setores ao elaborar seus projetos de mobilidade e transporte sustentáveis. Fator determinante para que, neste ano, a equipe responsável por coletar dados e atualizar a plataforma tenha aumentado. Hoje, são cinco pessoas no Brasil dedicadas a isso, além de pessoas de outros centros espalhados pelo mundo que enviam informações.

“É de grande importância o monitoramento constante de novos projetos e inaugurações de corredores e BRT, porque informações como as dispostas no BRTData confirmam os benefícios de uma alternativa global para a mobilidade urbana e o acesso livre a tais números e informações é um ganho para todos”, explica Cristina Albuquerque, Coordenadora de Projetos de Transporte do WRI Brasil Cidades Sustentáveis, e principal responsável pela plataforma.

Para Cristina, atingir a marca de 200 cidades é reflexo de como o BRT e corredores dedicados ao ônibus estão aumentando no mundo e como a equipe voltada ao projeto conseguiu melhorar a cobertura de tais dados. Granada, na Espanha, e San Salvador, capital de El Salvador, foram as recentes cidades que alçaram a 200 o número de municípios cadastrados no BRTData. Os dois  BRT transportam mais de 27 mil pessoas por dia.

No site movilidadgranada, uma análise sobre o sistema pontua como esse tipo de transporte considera a preservação do meio ambiente, além de ser mais moderno, acessível, e que fornece uma imagem de Granada de acordo com a sua qualidade e patrimônio histórico. “Ganhamos em velocidade e pontualidade dos ônibus. Em suma: a eficiência e a sustentabilidade”.

Também em 2015, foi inaugurado corredor na cidade de Jinan (China) e foram traçados os mapas dos corredores de Cambridge, no Reino Unido, e de Haifa, em Israel. Foram construídos dois corredores em Brampton, no Canadá, e um em Córdoba, na Argentina. Não para aí: integraram a ferramenta as cidades de Barquisimeto, na Venezuela, e Albuquerque, nos Estados Unidos. O BRTDatatambém incluiu, este ano, os mapas dos corredores de outras seis cidades: Lanzhou, China; Johannesburgo, África do Sul; Bradford, Reino Unido; e Campo Grande, Feira de Santana e Juiz de Fora, no Brasil.

Funcionalidades potencializadas

A plataforma de consulta do BRTData.org permite cruzar indicadores variados sobre operação, projeto e custos dos sistemas, incluindo informações como infraestrutura, desempenho operacional, frota, segurança viária e custos de sistemas; e, assim, entender melhor a nova era dos ônibus no mundo. Atingir a marca de 200 cidades potencializa o uso do sistema ao seguir a lógica de que quanto mais informações dispostas, mais completa poderá ser a análise realizada. O que se torna indispensável em tempos de busca por soluções de baixo custo por parte das cidades.

“As informações da plataforma se tornam fundamentais para atender a crescente demanda e interesse por sistemas de ônibus de alta qualidade e capacidade, em cidades que buscam soluções para o transporte urbano sustentável”, explica Cristina Albuquerque.

A equipe do WRI Brasil Cidades Sustentáveis, além de administrar a plataforma, desenvolve pesquisas a partir dos dados coletados. A análise global do sistema e o panorama do continente Americano são exemplos de pesquisas que apontam as inovações e tendência nos sistemas de prioridade ao ônibus e BRT através dos dados coletados no BRTData.

O aumento dos números é, portanto, equivalente ao aumento de material para a combinação de dados de diferentes indicadores que a plataforma permite. Assim, é possível minimizar o tempo de aprendizado ao gerar gráficos comparativos automaticamente. O sistema inclui em torno de 116 indicadores diferentes sobre as operações do sistema, design e custo, incluindo métricas como velocidade comercial, demanda anual, economia de combustível e idade da frota, entre outras.

Saiba mais sobre o BRTData.org

A plataforma foi desenvolvida pelo Across Latitudes and Cultures – Bus Rapid Transit (ALC-BRT), um centro de excelência (CoE) em BRT, e pelo WRI, com colaboração da Associação Latino-Americana de Sistemas Integrados e BRT (SIBRT) e a Agência Internacional de Energia (IEA).

A vasta extensão de dados reunidos na plataforma faz do BRTData o mais relevante banco de dados sobre BRT e corredores em todo o mundo. Chegar a este patamar foi possível devido ao constante trabalho realizado pela equipe responsável pela manutenção e alimentação da plataforma. Refletir o que já acontece no mundo por meio da reunião de informações em uma única plataforma funciona como estímulo ao transporte sustentável, além de facilitar o caminho para a adoção de medidas similares em futuros projetos. Que venha 2016.