Pesquisa traça o perfil do ciclista brasileiro

Uma pesquisa para traçar o perfil dos ciclistas brasileiros: Quem são? Quantos dias da semana pedalam? Quais integrações modais usam? Quais problemas enfrentam na rotina?  São apenas algumas das perguntas feitas na pesquisa “Perfil do Ciclista Brasileiro”, um esforço conjunto de dez organizações que atuam na promoção da bicicleta. Recentemente, foram divulgados alguns resultados preliminares da pesquisa que está acontecendo em oito cidades do país. O relatório final será apresentado no seminário nacional no Rio de Janeiro na última semana de novembro.

(Foto: Bilobicles Bag/Flickr)

Esse é um dos mais abrangentes mapeamentos já feitos em relação a ciclistas. Foram aplicados 1.804 questionários, entre 10 e 28 de agosto de 2015. Pessoas que estavam andando de bicicleta em todas as regiões da cidade foram entrevistadas, do centro à periferia, tanto em vias contempladas por ciclovias ou ciclofaixas quanto em ruas ainda sem infraestrutura, mas usadas frequentemente.

Juciano Rodrigues, pesquisador do Observatório das Metrópoles, um dos responsáveis pela realização da pesquisa, acredita que “esse levantamento pode gerar evidências empíricas importantes e inéditas sobre como as pessoas utilizam a bicicleta para seus deslocamentos diários e qual o papel desse modo de transporte desempenha no sistema de mobilidade local e no acesso ao sistema de mobilidade urbana em cada cidade.”.

Dados do levantamento preliminar

São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Brasília, Manaus, Aracajú e Niterói foram as cidades pesquisadas. Nelas, os resultados preliminares do levantamento mostram uma maior concentração de ciclistas na faixa etária de 25 a 34 anos (36,4%), seguida pelo grupo de 35 a 44 anos (24,2%).

Nas dez cidades pesquisadas, pessoas que pedalam mais de cinco dias da semana compõem a grande maioria: 73,6%. Nesse quesito, o maior percentual mais alto foi constatado no Rio de Janeiro, onde 81,4% das pessoas entrevistadas afirmaram pedalar 5, 6 ou 7 dias por semana.

Chama a atenção também a diferença entre as duas maiores cidades do país quanto à quantidade de pessoas que realizam a integração entre a bicicleta e outro meio de transporte. No conjunto das dez cidades pesquisadas 25,7% dos entrevistados disseram realizar algum tipo de integração com outro meio. No Rio de Janeiro, esse percentual chegou a 34,4%, enquanto que em São Paulo foi de 27,7%.

Entre os ciclistas entrevistados predominam pessoas com renda entre 1 e 2 salários mínimos (entre R$  788,00 a R$ 1576,00). No conjunto das 10 cidades 30% das pessoas estão nessa faixa de renda.

A pesquisa também revela que 20% das pessoas disseram ter sofrido algum acidente de bicicleta nos 12 meses anteriores.