O desafio do Presidente Obama para cidades: uma oportunidade para ações climáticas globais

Anúncio do presidente Obama sobre iniciativas de energia limpa se mostra uma oportunidade para levar ações climáticas a outro nível. (Foto: United Nations/Flickr)

Ontem, o número de cidades dos Estados Unidos que se comprometem a reduzir as emissões à atmosfera junto ao Compact of Mayors chegou quase a dobrar seu número de participantes. 19 cidades americanas já integravam o grupo global de prefeitos dedicados a debater a situação climática global – e a manobra mais recente de Obama elevou o número de cidades participantes para 34 .

O presidente Obama sinalizou que  não só é possível fazer mais – é preciso fazer mais. Desafiou publicamente todos os prefeitos a se comprometerem com um plano de ação climática antes da COP no final deste ano, bem como a atingir a meta de 100 novas inscrições de cidades norte-americanas junto ao Compact of Mayors até ao final de novembro. O desafio do presidente americano não deve ser encarado apenas pelas cidades dos EUA; prefeitos de todo o mundo devem aceitar o desafio e se inscrever para o grupo, reforçando a voz global por um futuro de baixa emissão de carbono.

As 15 novas cidades – de Atlanta e Chicago a Nova York e Seattle – que anunciaram seu compromisso com a causa ao se inscrever demonstraram grande liderança. Deram um passo crítico na direção certa, desenvolvimento que também representa uma oportunidade para as cidades tanto dos EUA quanto globais de demonstrar comprometimento com a ação climática. Ao aderir ao Compact of Mayors, as lideranças municipais ganham uma valiosa plataforma para o lançamento de medidas para reduzir as emissões, acompanhar o progresso e aprender uns com os outros. Quanto mais cidades se juntarem, mais forte será a mensagem de que um acordo universal sobre mudanças climáticas não é somente necessário, mas também viável.

Agir hoje para uma economia de baixo carbono amanhã

Junto ao pedido do presidente americano, foi inaugurado um conjunto de novas ações executivas em matéria de energia renovável e eficiência energética. As ações vão desde investimentos em tecnologia solar até parcerias com organizações sem fins lucrativos e do setor privado, essas ações são parte de uma visão global para uma economia de baixo carbono. De fato, uma pesquisa recente do New Climate Economy mostra que enfrentar a mudança climática agora é uma oportunidade para alcançar essa meta e estimular o crescimento econômico.

Energia limpa não é simplesmente uma questão de desenvolver tecnologias inovadoras – este é apenas o primeiro passo. Cidades e consumidores individuais muitas vezes enfrentam desafios significativos para financiar melhorias da eficiência energética sustentáveis. Tornar mais fácil para as cidades,  proprietários do edifício, e de casas, o acesso a fundos de financiamento é fundamental para a redução das emissões. Esta é uma das razões que tais ações executivas e compromissos tomados pelo Presidente Obama – incluindo garantias de $ 1 bilhão para empréstimos adicionais – representa um grande passo para frente.

Esse impulso momentâneo para as negociações climáticas em Paris exige intervenção de todos os níveis. As cidades correspondem a cerca de 75% das emissões de gases de efeito estufa (GEE) relacionadas ao setor de energia e a 85% do PIB global, por isso a ação a nível municipal é imperativa. Tendo em conta os custos extraordinários de não agir, o momento de investir para um futuro sustentável é agora.

O WRI Ross Center for Sustainable Cities contribuiu para a formação do Compact of Mayors, sob a liderança das principais redes de cidades do mundo, incluindo C40, ICLEI, UCLG, e outros parceiros. Hoje, são 107 cidades, mais as 15 novas, representando cerca de 200 milhões de pessoas, comprometidas com o Compact of Mayors.

Publicado originalmente em inglês por Alex Rogala e Clayton Lane no TheCityFix.