São Paulo: um plano para salvar vidas no trânsito

Capital paulista, integrante da Iniciativa Global em Segurança Viária da Bloomberg Philanthropies, alinhou plano de ação com medidas para tornar as vias urbanas mais seguras. (Foto: Mariana Gil/WRI Brasil | EMBARQ Brasil)

As ruas de São Paulo estão se tornando cada vez mais amigáveis aos deslocamentos por ônibus, bicicleta e a pé. Por trás das mudanças visíveis no desenho urbano, como ciclovias e faixas de ônibus, e nas políticas públicas, como a redução das velocidades, um time formado por órgãos públicos municipais e organizações de atuação mundial trabalha na elaboração de um plano para salvar vidas no trânsito. A capital paulista é integrante de uma seleta lista de 10 cidades, entre elas Fortaleza, beneficiadas pela Iniciativa Global em Segurança Viária da Bloomberg Philanthropies – um compromisso para reduzir fatalidades e ferimentos no trânsito em todo o mundo.

Nessa segunda-feira (3), uma importante etapa deste trabalho foi realizada. Com um alinhamento estratégico, o grupo de trabalho (GT) que atua em Mobilidade Segura & Vias Seguras finalizou o plano norteador das ações da capital para os próximos dois anos. A ambição é reduzir a taxa de mortalidade dos atuais 9,5 para 6 por 100 mil habitantes até 2020. Ao todo, são quatro os GTs do projeto, incluindo Fiscalização; Meios de Massa e Marketing Social; Dados e Vigilância – cada qual responsável por construir seu plano, sempre em sinergia com os demais.

A atuação deste GT tem foco nos seguintes aspectos:

reduções nos limites de velocidade

projetos de sistemas prioritários aos ônibus

infraestrutura para uso da bicicleta

segurança de pedestres

implantação das zonas 40

Integram o grupo em Mobilidade Segura & Vias Seguras a CET-SP, SPTrans, SP Urbanismo e SP Obras, da prefeitura; WRI Brasil | EMBARQ Brasil, Banco Mundial e NACTO – National Association of City Transportation Officials, como parceiros externos.

Durante o alinhamento, os participantes se debruçaram sobre as ações previamente estabelecidas de forma conjunta, a fim de consolidar o documento a ser entregue à Bloomberg Philanthropies. Como resultado do dia de trabalho, foram definidas as equipes líderes de cada atividade, os prazos e respectivos responsáveis em cada órgão parceiro. “Dentro de uma mesma sala, existem pessoas com ideias e percepções diferentes. Umas, com visão geral do projeto, em menor grau de detalhe; outras pensam de forma mais focalizada. Isso gera gargalos que nem um nem outro podem enxergar; por isso, é importante alinhar a visão de todos”, explicou Daniela Facchini, diretora de Projetos e Operações da EMBARQ Brasil na abertura das atividades.

O projeto tem duração de cinco anos, e terá revisões periódicas de metas conforme vai avançando. “Este plano está concentrado nos primeiros dois anos da Iniciativa, e é uma proposta construída em conjunto entre a administração municipal e os parceiros”, esclareceu Marta Obelheiro, coordenadora de projetos de Saúde e Segurança Viária da EMBARQ Brasil.

Daniela Facchini, do WRI Brasil | EMBARQ Brasil, conduz primeira parte do workshop de Alinhamento Estratégico. Atividade mapeou ações, prazos, e equipes responsáveis. (Foto: Luísa Zottis/WRI Brasil | EMBARQ Brasil)

Mundialmente, o trânsito ceifa a vida de 1,2 milhão de pessoas. O Brasil é o 4º país mais letal do mundo, onde 42,266 mil pessoas vão a óbito todos os anos, equivalente a quase cinco mortes por hora. É uma verdadeira epidemia que, se não for combatida, será a quinta maior causa de mortes no mundo, estima a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Nesse sentido, a megalópole brasileira está trabalhando para tornar as vias urbanas mais gentis e seguras para transitar, amenizando os riscos à fragilidade humana. “Onde você possa caminhar, andar de bicicleta pelas ruas, sem medo de ser atropelado, e até de carro, sem medo de ser buzinado. Uma cidade mais humana: é o termo que melhor resume nosso ideal para a capital paulista”, enfatizou Ciro Biderman, chefe de gabinete da SPTrans.

Para ele, a Iniciativa Global em Segurança Viária da Bloomberg Philanthropies também está promovendo uma maior interlocução entre os órgãos municipais e parceiros internacionais, como o Banco Mundial, a NACTO e o WRI Brasil | EMBARQ Brasil. “É um processo fundamental, pois, por mais análises que façamos sobre experiências de outros lugares, faz toda diferença trazer alguém para compartilhar detalhes sobre a implementação de determinadas medidas as quais consideramos boas práticas que podem ser replicadas aqui, respeitando as diferenças locais”.

O município mais populoso do Brasil entrou de vez na rota da segurança viária, caminho já traçado por lugares como Suécia, Londres, Nova York, entre outros, onde o número aceitável de vidas perdidas no trânsito é zero.

Com um passo de cada vez, um planejamento estratégico alinhado entre os parceiros e o compromisso sério ao lado de outras nove cidades na busca por vias urbanas mais seguras para todos, com apoio da Bloomberg Philanthropies, São Paulo tem potencial para se tornar uma referência na área e inspirar as demais. “Tudo que São Paulo faz é observado com bastante cuidado pelas outras cidades; essa iniciativa pode ter muita visibilidade e, se tudo der certo, elas podem se entusiasmar e agir também”, pontuou Ciro.

Sobre a Iniciativa

Ao longo de cinco anos, a Iniciativa Global em Segurança Viária da Bloomberg Philanthropies – vai investir US$ 125 milhões para implementar intervenções municipais para salvar vidas. As cidades selecionadas recebem, cada uma, equipe sênior para atuar em tempo integral com os governos municipais nas suas iniciativas de segurança viária por pelo menos cinco anos; assistência técnica abrangente das organizações mundiais líderes em segurança viária; treinamento para policiais e outros relevantes profissionais do município; e apoio para a criação  de campanhas midiáticas de massa contundentes. Leia mais.