Está valendo: São Paulo reduz velocidade máxima permitida

Marginais Pinheiros (foto) e Tietê ganharam hoje novos limites de velocidade. Motorista que desrespeitar será multado. (Foto: Mariana Gil/WRI Brasil | EMBARQ Brasil)

A cidade de São Paulo tomou uma decisão que pode gerar opiniões divergentes e muita polêmica, mas necessária para preservar a segurança de todos nas vias urbanas.

A partir de hoje, está valendo a medida que limita a velocidade a 70 km/h nas Marginais Pinheiros e Tietê, para carros; e 60 km/h para caminhões. O motivo? Salvar vidas. Juntas, somente no ano passado essas vias foram palco de 1.180 acidentes, com 73 mortes por colisões e atropelamentos e 1.399 pessoas feridas. Conheça as novas regras para circular nas vias.

Segundo nota oficial da Companhia de Engenharia de Tráfego da São Paulo (CET-SP),

“As reduções das velocidades máximas permitidas têm por objetivo a melhoria das condições de segurança de todos os usuários. A meta é reduzir o número alarmante de feridos e mortos em tais vias, com especial atenção aos mais vulneráveis: motociclistas, pedestres e ciclistas.”

Quanto menor, melhor

Em dezembro de 2014, centro paulistano teve velocidade limitada a 40 km/h. Medida reduziu 71% das mortes por colisões e atropelamentos. (Foto: Mariana Gil/WRI Brasil | EMBARQ Brasil)

A redução da velocidade nas vias urbanas é uma importante estratégia de mitigação de acidentes. Isso porque, quanto menor a velocidade do veículo, mais tempo o condutor tem para tomar a decisão certa e evitar uma colisão. E a medida não atrasa a viagem tanto assim – entenda aqui.

Em São Paulo, a redução nas marginais integra um programa que já limitou velocidades em 26 km de ruas e avenidas e tem a meta de abranger 100 km. No centro da cidade, onde a circulação de pedestres e ciclistas é intensa, as ruas ganharam um novo limite: 40 km/h, que resultaram em 71% menos óbitos por colisões e atropelamentos na região.

É fato. O estudo Impactos da Redução dos Limites de Velocidade em Áreas Urbanas, do WRI Brasil | EMBARQ Brasil (produtor deste blog), mostra que uma redução de apenas 5% pode evitar significativamente os acidentes fatais. Marta Obelheiro, coordenadora de Projetos de Saúde e Segurança Viária da EMBARQ Brasil e uma das autoras do estudo, explica que um limite de 50 km/h ou inferior, conforme as características da via e a presença de pedestres e ciclistas, ao mesmo tempo em que respeita a fragilidade da vida humana, reduzindo o risco de acidentes graves ou fatais, permite a fluidez no trânsito. A decisão da capital paulista segue nessa direção: devagar e sempre.

Baixe o estudo:

Bloomberg Philanthropies coloca São Paulo na rota da segurança viária

O Brasil tem o 4º trânsito mais fatal do mundo. Na sua maior cidade,ocorreram 9,5 mortes de trânsito para cada 100 mil pessoas no ano de 2013. Ao mostrar o comprometimento e a vontade de salvar vidas no trânsito, foi escolhida pela Bloomberg Philanthropies como uma das dez cidades do mundo todo para integrar a Iniciativa Global para a Segurança Viária – um compromisso global que vai investir, ao longo de cinco anos, US$ 125 milhões para implementar legislações nacionais referentes à segurança viária e intervenções municipais para salvar vidas.

A prefeitura paulistana tem como meta reduzir as mores para 6 a cada 100 mil pessoas até 2018. Fiscalização eletrônica de limite de velocidade, revitalização de semáforos, educação para mobilidade, cidadania e sustentabilidade e supervisão de equipamentos de segurança são algumas das ações que já estão sendo implementadas pela cidade para aumentar a segurança no trânsito.

O WRI Brasil | EMBARQ Brasil é parceira da Bloomberg Philanthropies e vem desenvolvendo um trabalho conjunto pra salvar vidas no trânsito. Assista ao vídeo para saber mais.