Dispersão das cidades causa prejuízos à economia

Região da Times Square, em Nova York, é um bom exemplo de como criar cidades mais compactas, conectadas e voltadas ao deslocamento humano. (Foto: NYC DOT/Flickr)

Cidades dispersas custam à economia americana US$ 1 trilhão por ano, de acordo com um estudo do New Climate Economy publicado este ano. Estes custos incluem gastos com infraestrutura, serviços públicos e transporte. O relatório “Análises de Políticas Públicas que Encorajam e Subsidiam a Dispersão” (tradução livre) investiga os custos de expansão e os potenciais benefícios do “crescimento inteligente”, que estimula o desenvolvimento de cidades mais compactas.

“Na maioria das comunidades há limites estritos sobre as densidades de desenvolvimento, restrições à habitação plurifamiliar e exigências excessivas de estacionamento, que aumentam os custos da habitação e incentivam a expansão das cidades. As preferências dos consumidores sobre habitação estão mudando, as leis também devem mudar”, comenta Todd Litman, do Instituto de Políticas de Transporte de Victoria.

A dispersão das cidades aumenta a distância entre residências, empresas, serviços e empregos e eleva o custo do fornecimento de infraestruturas e serviços públicos de 10% a 40%. As cidades americanas mais dispersas gastam uma média US$ 750 com infraestrutura por pessoa a cada ano, enquanto as cidades mais compactas gastam cerca de US$ 500. O estudo aponta que a implementação de políticas mais inteligentes de crescimento urbano em escala global poderia reduzir o investimento em infraestrutura urbana em mais de US$ 3 trilhões nos próximos 15 anos.

Cidades com crescimento inteligente possuem fronteiras bem definidas, com uma gama de opções de habitação, uma combinação de edifícios residenciais e comerciais, calçadas acessíveis, ciclovias e transporte público. Ao reduzir a necessidade de terras e, consequentemente, os custos de infraestrutura e transporte,  as políticas de crescimento urbano inteligentes podem oferecer benefícios econômicos, sociais e ambientais significativos


Se você quer saber mais sobre como cidades compactas podem ajudar a mitigar mudanças climáticas, inscreva-se para o Congresso Internacional Cidades & Transportes, que acontece entre os dias 10 e 11 de setembro no Rio de Janeiro. O evento irá reunir prefeitos, especialistas, iniciativa privada e organizações não-governamentais para pensar coletivamente sobre alternativas viáveis para o futuro das cidades.

Para mais informações sobre o Congresso e para realizar a sua inscrição acesse: cidadesetransportes.org


O New Climate Economy é uma iniciativa independente para analisar como os países podem alcançar um crescimento econômico e lidar com os riscos das mudanças climáticas.

  • http://www.tadeusantos.blogspot.com Tadêu Santos

    A proposta parece ser bem focada nos pontos vulneráveis das cidades. Fica a dica aos prefeitos da região enfatizando o Sandro Maciel de Araranguá que adotou programa Cidades Sustentáveis!