Calculadora Global 2050: agora também em português

Com versão em português lançada esta semana, a Calculadora Global 2050 simula diferentes cenários de emissões e orienta empresas, ONGs e governos no combate às mudanças climáticas (Foto: Clément Jacquard/Flickr)

A Calculadora Global 2050, lançada em julho do ano passado, encontra-se agora disponível também em português. A ferramenta ganhou ainda uma versão em chinês e outras em espanhol, francês, russo, arábico, hindi e bahasa (idioma indonésio) estão planejadas para os próximos meses.

Até 2050, as emissões de gases do efeito estufa precisam cair para cerca de metade dos níveis atuais para termos a chance de cumprir a meta internacional de evitar ou amenizar o aumento de 2°C da temperatura média do planeta nas próximas décadas. Junto à nova versão em português, o relatório “Prosperidade ao redor do mundo em 2050: considerações da Calculadora Global” reúne informações como essa e dados sobre tecnologia, combustíveis e nosso estilo de vida que ilustram como é possível reduzir as emissões em grande escala e, ao mesmo tempo, manter o desenvolvimento econômico.

 

 

Ao explorar diversos cenários da relação entre as atividades humanas e as emissões de gases de efeito estufa, a Calculadora exerce um papel fundamental no combate às mudanças climáticas, orientando tomadores de decisão a respeito de onde concentrar os esforços para reduzir as emissões. A plataforma possibilita que empresas, ONGs e governos analisem as emissões de CO2 provenientes de diferentes setores – transportes, produção de energia, agricultura – em escala global, e não apenas nacional. A simulação feita a partir de diferentes modelos projeta os cenários correspondentes para o ano de 2050 e permite visualizar os impactos das emissões no mundo.

 

 

A Calculadora Global é resultado do trabalho de uma equipe internacional de instituições liderada pelo Departamento de Energia e Mudanças Climáticas (DECC) do Reino Unido. Também fazem parte da equipe WRI, Energy Research and Development International of ChinaErnst & Young IndiaClimact (Bélgica), Climate Media Factory (Alemanha), Imperial College London e London School of Economics and Political Science.