O silêncio europeu sobre o Fórum Mundial da Bicicleta

Uma boa quantidade de pessoas (mais de 4.000!) que acredita no potencial da bicicleta para melhorar os cenários urbanos de suas cidades está reunida em Medellín, na Colômbia, para participar da 4ª edição do Fórum Mundial da Bicicleta (FMB) ou Foro Mundial da Bici ou, ainda, World Bicycle Forum. Do dia 26 de fevereiro ao dia 1 de março, inúmeras atividades acontecerão pelas ruas de Medellín e terão a bicicleta como elo para conectar pessoas, organizações e cidades.

O Fórum teve suas três primeiras edições no Brasil e, com seu sucesso, esse ano ganhou o continente latino-americano. Por lá, as pessoas já estão se organizando para votarem onde serão as próximas edições do Fórum. Cidades brasileiras, colombianas, peruanas e até estadunidenses já estão no páreo.

Esse ano, o tema central do Fórum, escolhido colaborativamente, é: Cidades para todos. Não por acaso, ele é uma das maiores ágoras ciclísticas que se tem no mundo, com toda pluralidade que podemos imaginar. Nele, gestores, sociedade civil, empresas, outros tipos e formas de organização e cidadãos e cidadãs estão unidos por um objetivo principal: promover o uso da bicicleta enquanto modo de transporte pelo mundo. Como está dito na página inicial do Fórum: ele é um evento feito de cidadãos para cidadãos.

Pelo mundo? Sim, mas que mundo é esse? Por aqui, no velho continente, o silêncio de grandes organizações europeias de ciclistas sobre o FMB é, para mim, sintomático. Pesquisei o último mês de postagens no Facebook e no Twitter destas instituições e busquei palavras-chaves nos respectivos sites. Alguns exemplos:

Na Federação Europeia de Ciclismo, não encontrei, sequer, uma menção em todas as plataformas que busquei.

A MUBi, Associação pela Mobilidade Urbana em Bicicleta, de Portugal, também não citou o acontecimento do Fórum, embora tenha ‘retuitado’ uma mensagem do site Vá de Bike sobre as ciclovias em São Paulo.

A Cycling Embassy of Denmark tem uma representante no Fórum e, mesmo assim, o resultado da busca pelo temo “world bicycle forum” e em outros idiomas é esse abaixo.

 

No Twitter deles existe uma menção sobre o playground dinamarquês que foi montado para o FMB, mas com link para uma matéria antiga do site.


Nos sites e redes sociais das seguintes organizações também não encontrei nada: Allgemeiner Deutscher Fahrrad- Club (ADFC) (em inglês: General German Cyclists’ Club), CTC – The National Cycling Charity, Fédération française des Usagers de la Byciclette e da Coordinadora en Defensa de la Bici.

No site da CTC há uma menção sintomática sobre o 3º FMB, em 2014. Nela, a autora diz: “I was especially surprised to learn that Brazil manufactures a sizeable proportion of the world’s bicycles.” (Eu estou especialmente surpresa de saber que o Brasil produz uma boa parte das bicicletas do mundo). E na outra “Yes, there are a lot of bicycles in Brazil” (sim, existem muitas bicicletas no Brasil).

Uma abordagem honesta, elucidativa e respeitosa sobre o Fórum veio do blog da simpática e ótima escritora Isabelle. Nele, a autora diz: “O mais estranho é que, apesar da internet, Facebook ou Twitter, nós só descobrimos o Fórum graças ao texto de um amigo.”

Em momento algum, coloco em xeque a atuação destas organizações que, pelo contrário, vêm fazendo trabalhos espetaculares sobre o uso da bicicleta por estas bandas de cá. Entretanto, a falta de compreensão e disposição de olhar projetos e ações num outro canto do mundo é um indício de que muita gente aqui precisa montar numa barra forte e se dar ao prazer de conhecer o que nós,  latino-americanos, temos (bem) feito do outro lado do Atlântico.

Todavia, se você procurar pelo termo “velo-city”, outro grande evento internacional sobre bicicletas, encontrará bastante coisa. Em sites jornalísticos e de empreendimentos sobre bicicleta, como Cicloesfera, há citações sobre o Fórum, mas a revista Cycling Weekly não tem, sequer, uma menção em seu site.

Espero que eu seja um péssimo pesquisador em sites ou que as ferramentas de busca estejam enganadas, embora se você buscar no Google por “forum mundial da bicicleta” encontrará mais de 120.000 menções, “foro mundial de la bicicleta” mais de 522.000 e “world bicycle forum” nada menos que 26.300.000.