Ruas para pessoas – a transformação das cidades

Sunset Triangle Plaza, em Silver Lake, Los Angeles (Foto: People Street/Reprodução)

Quando o carro surgiu e começou a ser comercializado, as cidades aos poucos cederam e adaptaram suas ruas para abrir espaço à promessa de mobilidade que se concretizava com as quatro rodas. Deslocar-se rapidamente de um ponto a outro era uma conveniência que chegava para facilitar a vida dos que tinham condições de acessar o novo modal. Assim os automóveis se espalharam, fazendo crescer com eles toda a infraestrutura característica de cidades que se desenvolveram seguindo um modelo carrocêntrico.

Alguém imaginou que, no século seguinte, estaríamos percorrendo o caminho o inverso, na tentativa de devolver o espaço das ruas às pessoas?

Com uma frota crescente, estimada para atingir a marca de 2,5 bilhões até 2050, e a mobilidade uma vez garantida pelos automóveis se esvaindo entre ruas congestionadas e fumaça de escapamentos, mesmo cidades reconhecidamente feitas para abrigar os carros começam a repensar suas prioridades.

Los Angeles é um exemplo. O programa People Street, criado pelo Departamento de Transporte da cidade, permite que os moradores, por meio de parcerias e associações de bairros, solicitem a instalação de parklets, praças e pequenos estacionamentos para bicicletas sem a burocracia que normalmente acompanha esses processos. A partir da escolha entre os modelos pré-aprovados pelo departamento, basta encaminhar o documento com a proposta, disponível no site para download.

A instalação das praças, que são o maior dos três projetos, implica o fechamento de uma rua para a circulação de veículos. A aposta veio do sucesso da Sunset Triangle Plaza, criada em 2012 em Silver Lake como piloto do projeto. Em lugar dos carros, a rua foi ocupada por cores, vegetação, mesas com guarda-sóis e até uma cesta de basquete, revelando o potencial muitas vezes despercebido dos espaços públicos. Para este ano, outas três novas praças estão previstas pelo People Street, nas áreas de Pacoima, North Hollywood e South Los Angeles.

(Foto: People Street/Reprodução)

Depois de tantos anos vivendo em cidades pensadas para acomodar os automóveis, é possível dizer que muitos de nós ainda não estão prontos para abandonar o carro por completo. E nem é este o objetivo de programas como o People Street. A proposta é repensar a maneira como utilizamos nossos veículos e, quem sabe, atingir um uso mais equilibrado do espaço nas cidades; afinal, de nada adianta todo o espaço possível disponível para os deslocamentos de carro se não sobrar espaço para os destinos bacanas aonde esses mesmos carros poderiam chegar.