Nova publicação analisa infraestrutura urbana como legado para as cidades

A publicação “Urban infrastructure insights 2015”, do The Economist Intelligence Unit, traz resultados de questionário com líderes e executivos globais e análises de especialistas como Luis Antonio Lindau, diretor-presidente da EMBARQ Brasil. Além disso, o documento engloba estudos de caso do Rio de Janeiro, Amsterdã e Abu Dhabi. (Foto: Programa de Aceleração ao Crescimento/Flickr)

As áreas urbanas serão lar para 2,5 bilhões de pessoas em 2050 e, na mesma década, 75% da infraestrutura urbana que existirá nas cidades ainda não foi construída. O tema é pertinente e urgente, pois as decisões tomadas hoje pelos líderes urbanos serão o legado para as futuras gerações. Gerenciar a infraestrutura urbana não é simples, pois envolve recursos materiais, financeiros, humanos.  Mais do que isso, os gestores municipais precisam estar prontos para defender e vender suas ideias às partes interessadas.

Para desvendar quais infraestruturas requerem mais atenção e como os gestores urbanos podem desenvolver soluções para a sociedade, o The Economist Intelligence Unit realizou um estudo com 409 entrevistados, entre formuladores de políticas públicas e executivos do setor privado. O objetivo foi investigar a importância da infraestrutura para o crescimento econômico urbano e os obstáculos sociais, políticos e financeiros para torná-la efetiva.

O resultado gerou a publicação “Urban infrastructure insights 2015”, lançada ontem (28). Além das descobertas, o documento traz estudos de caso sobre Amsterdã, Rio de Janeiro e Abu Dhabi. A fim de complementar as descobertas do questionário, a EIU convidou também 18 pessoas entre líderes municipais, especialistas e executivos sêniores de organizações globais para comentar os resultados. O diretor-presidente da EMBARQ Brasil (produtora deste blog), Luis Antonio Lindau, foi um dos entrevistados, ao lado de nomes como Eduardo Paes, prefeito do Rio de Janeiro; Ed Lee, prefeito de São Francisco (EUA); Isabel Dedring, secretária de Transportes de Londres; Mark Watts, diretor executivo da rede C40, entre outros importantes nomes globais ligados ao setor urbano.

Algumas descobertas-chave da pesquisa:

  • Os entrevistados atribuem aos líderes municipais a falta de infraestrutura e serviços de qualidade. Entre os fatores agravantes estão falta de vontade política (40%), falta de habilidades entre os servidores públicos (39%), e a falta de eficácia governamental (34%).
  • Os respondentes acreditam que o envolvimento do setor privado é vital para a melhoria da infraestrutura e dos serviços urbanos. Enquanto a maioria acha que o setor público deve liderar estas iniciativas, 82% dizem que a cooperação com a iniciativa privada pode melhorar a infraestrutura e os serviços.
  • Os investimentos ferroviários e rodoviários são as principais preocupações em infraestrutura e reforçam a necessidade de sistemas sustentáveis para o transporte de pessoas e bens.
  • Os entrevistados estariam dispostos a adaptar a forma como utilizam a infraestrutura se fossem dadas a eles ferramentas para que pudessem controlar esses impactos. Mais de 70% dizem que estariam suscetíveis a alterar seus consumos de energia, água e transporte

Acesse o relatório completo: