Copenhague inaugura primeiro bairro do mundo adaptado às mudanças climáticas

St. Kjeld, em Copenhague: inaugurado em dezembro, é o primeiro bairro do mundo adaptado às mudanças climáticas (Imagem: Tredje Natur/Reprodução)

Quando a próxima tempestade chegar a Copenhague, os moradores do bairro de St. Kjeld não precisarão se preocupar – desde dezembro, eles vivem no primeiro bairro do mundo construído para ser adaptado às mudanças climáticas.

Em 2011, depois que uma violenta tempestade provocou inundações na área, causando danos na ordem de um bilhão de dólares, a cidade começou a agir para se prevenir. A transformação do bairro mostra o que pode ser feito quando as mudanças no clima são levadas a sério.

Para René Sommer Lindsay, responsável pelas mudanças em St. Kjeld, a tempestade de 2011 foi um alerta: “A partir dali, passamos a agir de outra forma. Em vez de criar projetos pontuais e localizados, vamos fazer um ‘plano diretor de águas pluviais’, dissemos. A água das chuvas só é um problema quando atinge lugares que você não quer que ela atinja”, disse em entrevista à Al Jazeera Ameria.

Muito asfalto que não servia para nada. Essa foi a conclusão a que chegou a empresa de arquitetura escolhida para o projeto. Com essa abordagem em mente, o planejamento do bairro foi focado na construção de estruturas verdes, majoritariamente naturais, que pudessem escoar a água da chuva.

As quadras foram divididas e o asfalto foi substituído por uma espécie de tapete de grama, inclinado e entrecortado por passeios para os pedestres. No caso de uma tempestade ou inundação, as pequenas praças espalhadas por St. Kjeld funcionarão como bacias para a água, cercadas pelas inclinações no terreno. Com um novo sistema de encanamento, é possível coletar a água dos terraços dos edifícios. E as ruas no entorno, por sua vez, em situações de mau tempo, tornam-se canais que escoam a água em direção ao porto.

(Imagem: Tredje Natur/Reprodução)

Para muitas pessoas, praças e ambientes reinventados a partir da vegetação são elementos de embelezamento das cidades, mas não preparação para fenômenos naturais extremos – quando na verdade podem ser as duas coisas. As mudanças climáticas são uma grande oportunidade para construir cidades mais verdes.

(Fonte: Al Jazeera America)