Mobilidade em 1 Instante: Florença e o amor de calçada

Foto: Christiaan Triebert

Sinto falta de sentar na calçada.

Sinto falta de caminhar por Florença até o pé dizer chega e tomar uma água, sozinha já de noitinha.

Sinto falta de comer sorvete na ponte e olhar os casais pendurarem cadeados apaixonados – sendo que nunca entendi bem como um objeto tão duro pode representar algo tão doce.

Sinto falta do “tramonto più bello“, do Rossini, do Negroni, da flauta e dos remos. O reflexo no Arno e tudo mais que quisemos.

Sinto falta da gritaria de dentro no embate do silêncio cortante depois de mais uma noite.

Sinto falta do verão quente que derrete nas pedras do centro e finge que incomoda enquanto eu danço. Sinto falta da música de rua, dos traços, das fotos e dos passos que preenchem tudo aquilo que não podemos tocar e que nos toca como ninguém.

Sinto falta de você, Florença, minha flor de arte. Sempre será a minha cidade saudosa, aquela que não alcanço mais, que não sonho mais e nem sofro mais, mas que sofro pra alcançar a sonhar de novo.

De longe uma grande poliglota, mas de pertinho uma monossilábica charmosa que se satisfaz em repetir: “amore, amore, amore”.

Ao que parece, um amor não é feito só de gente. É feito de cidade, de urbanidade, de luz, reflexos, imagens, sons, cheiros e Noites Brancas. Isso porque amor é sensação e, meu amigo, em Florença o que não falta é emoção. Assim, à flor da pele, jurando que não dói e que, se doer, passa logo. Um amor feito de papel, água, sol, sorvete e pedra. De praça, de graça.

É desse amor que sinto falta, um amor de calçada.

***

A série Mobilidade em 1 Instante, do TheCityFixBrasil, é movida pela fotografia. Trazemos imagens que nos inspiram e que permitem uma reflexão sobre a mobilidade e a vida nas cidades. Se você quiser participar, com um texto ou uma fotografia, será muito bem-vindo a bordo! Escreva para nós: contato@embarqbrasil.org