Mobilidade em 1 Instante: amores platônicos do metrô

Foto: Magdalena Roeseler

Por Fernando De Caires

O apito do metrô tocou e eu corri pra entrar no vagão. Assim que entrei, a porta se fechou e eu dei de cara com um a menina linda, olhos azuis grandes, cabelos castanhos escuros encaracolados e um lindo sorriso no rosto.

A gente se olhou por uns cinco segundos e ela me perguntou como se chegava no Reserva cultural. Eu expliquei que ele estava exatamente entre duas estações, mas que talvez fosse melhor descer no MASP e voltar. Ela agradecer e ficou me olhando.

Pensei rápido e perguntei de onde ela era. Ela sorriso e disse que era do Uruguai. Fiquei surpreso porque ela não tinha sotaque nenhum! Ela me disse que sua mãe era paulistana, que tinha sido criada falando português e que havia uns dois anos que morava aqui, na Bela Vista.

Continuamos conversando sobre a cidade de São Paulo, o que ela gostava, o que eu recomendava e quando a gente menos esperava o apito do trem tocou. Eu olhei pra ela e disse que ela deveria descer ali. Rapidamente, ela desceu. Ficamos nos olhando entre a porta já fechada e o metrô foi aumentando a velocidade, rumo a próxima estação.

Qual era o nome dela? Eu não sei.. Não perguntei.

***

A série Mobilidade em 1 Instante, do TheCityFixBrasil, é movida pela fotografia. Trazemos imagens que nos inspiram e que permitem uma reflexão sobre a mobilidade e a vida nas cidades. Se você quiser participar, com um texto ou uma fotografia, será muito bem-vindo a bordo! Escreva para nós: contato@embarqbrasil.org