Piloto automático e o futuro ao volante

(Foto: Kyle May/Flickr)

Desde a invenção do carro até 1997, acidentes de trânsito já mataram 25 milhões de pessoas em todo o mundo, de acordo com estimativas da OMS. Se considerarmos a média anual de 1,2 milhão de mortes, hoje esse número já passa dos 44 milhões.

Entre as principais causas dos acidentes, estão a alta velocidade e a falta de atenção. Nos Estados Unidos, ficou conhecido o caso da motorista de Illinois que não conseguiu evitar a colisão com uma moto porque pintava as unhas enquanto dirigia. O acidente resultou na morte da motociclista.

“Grande parte das mortes [em acidentes de trânsito] são causadas pelo comportamento desatento dos motoristas, como dirigir distraído, bêbado, cansado ou com raiva. É uma estupidez, portanto, deixar seres humanos no comando de uma máquina de metal, circulando por aí em altas velocidades”, escreve o colunista Kevin Maney em matéria publicada pela Newsweek.

Felizmente, a tecnologia pode ajudar a prevenir esses casos – não o comportamento irresponsável, mas os acidentes, ao fazer com que o carro pare automaticamente quando se aproximar de um possível obstáculo. Recentemente a Tesla, tradicional fabricante de veículos elétricos dos Estados Unidos, lançou o Model S. O carro, que vem com um novo sistema de piloto automático, pode assumir o controle quando o motorista estiver prestando atenção em outra coisa que não dirigir.

O modelo possui 12 sensores, câmera e radar para ler as sinalizações de limite de velocidade, manter-se na pista e reconhecer objetos a até cinco metros de distância, como outros carros e pedestres. Quando o motorista estiver em vias de colidir, o carro freia ou muda de direção – podendo evitar casos como o citado acima. Em se tratando de tecnologia de segurança, o piloto automático faz com que itens como airbag e cinto de segurança, ainda que indispensáveis, pareçam coisa do passado.

Os carros levam em torno de três segundos para ir de zero a 97 km/h – a média de velocidade de uma montanha russa. Presume-se que a maioria das pessoas não andaria em um carro a essa velocidade sem ter controle sobre ele – mas a questão é: sendo humanos, somos nós capazes de prevenir ou evitar acidentes a uma velocidade como essa?

A razão de existência dos carros é nos levar de um lugar a outro – em segurança. E a tecnologia dos pilotos automáticos, como a desenvolvida pela Tesla, pode ajudar a mudar – para melhor – o comportamento dos motoristas ao volante.

(Fonte: Newsweek)