Uma ‘caixa-preta’ para bicicletas

(Foto: SF Bike/Flickr)

Por incrível que pareça, alguns pedestres na Rússia forçam o próprio atropelamento para se beneficiar com seguros-acidente ou mesmo chantagear motoristas. Situação que forçou muitas pessoas a instalar câmeras nos seus carros a fim de evitar esse tipo de fraude, como você pode ver na compilação de vídeos (bem surreais, diga-se de passagem) abaixo.

O trânsito é a oitava causa de mortes em todo o globo, e na Rússia os pedestres correspondem a 33% das vítimas fatais – são maioria. Quando os mais vulneráveis forçam o próprio acidente, contudo, podem ser interpretados como vilões do trânsito, quando na verdade deveriam ser os mais protegidos.

A Rússia é um caso à parte, pois nunca ouvimos falar de nada parecido. Mas pensando em dimensões globais, há que questionar como garantir a segurança dos que mais precisam – pedestres e ciclistas – e salvar vidas no trânsito. As políticas públicas e o planejamento do ambiente viário, paralelamente a outras ações, devem protagonizar essa resposta. Mas dispositivos tecnológicos pessoais também têm um papel a desempenhar.

É o caso da RideEye, uma câmera que pode ser acoplada à bicicleta. Até aí, nada de novo. Mas ela tem uma habilidade ímpar: detectar acidentes. Essa é a funcionalidade-chave do equipamento, que grava continuamente, ou seja, a memória nunca acaba – ela sobrescreve os dados já gravados. Depois de sofrido um acidente, a RideEye salva tudo previamente capturado. Sem perigo de perder as evidências mais importantes.

É triste e revoltante ver casos em que veículos automotores atingem pedestres e ciclistas sem a devida punição. Dizem que uma imagem vale mais que mil palavras, e em acidentes assim, quando é uma palavra contra a outra, mais ainda. Por isso, toda e qualquer medida que proteja os mais vulneráveis de condutas perigosas e falsos testemunhos é válida.

O que você acha? Conte pra gente nos comentários.

(Foto: Divulgação/RidEye)

Este post foi baseado em produção original do Tree Hugger