Trânsito mata mais que doença

Segurança viária: trânsito é a nona causa de mortes no mundo, e o transporte sustentável é um grande aliado na luta para salvar vidas. (Foto: Mariana Gil/EMBARQ Brasil)

 

Se você tem medo de algum dia ser morto por um bandido na rua, fique tranquilo. Bem, nem tanto. Dados mostram que é mais provável morrer em acidente de trânsito do que por homicídio ou câncer no Brasil. As mortes no trânsito são uma verdadeira epidemia, ceifando a vida de 1,24 milhão de pessoas por ano – o equivalente à queda de mais de três mil aviões Boeing 747. É a nona causa de mortes no mundo, mas se considerarmos a totalidade dos feridos, esse índice sobe para 50 milhões.

As novas gerações também estão sendo vitimadas por isso. Recente pesquisa apresentada num congresso de pediatria revelou que as crianças brasileiras morrem mais no trânsito do que por doenças. São 22 a cada 100 mil jovens de 5 a 14 anos mortos no trânsito brasileiro todos os anos.

Publicação da OMS levantou dados mundiais de segurança viária e constatou que entre os principais fatores de risco estão alta velocidade, álcool e direção, e falta de estrutura viária adequada. Mesmo tão recorrentes, as mortes no trânsito ainda parecem não ganhar a atenção merecida pelas políticas públicas, mas avanços vêm sendo feitos.

Ações efetivas e que poderão refletir numa mudança desse cenário no longo prazo são o foco da Década de Ação pela Segurança Viária (2011-2020), da ONU. Diversas intervenções necessárias são sugeridas pela iniciativa. Entre elas, está a qualificação do espaço viário para torna-lo mais seguro e até mesmo tolerar erros humanos, a fiscalização à utilização de equipamentos de segurança, o controle e a redução à velocidade permitida e o atendimento às vítimas.

Investir na mobilidade urbana sustentável, com a priorização aos sistemas BRT e ao transporte ativo, por exemplo, é uma parte fundamental do processo de salvar vidas. Luis Antonio Lindau, diretor-presidente da EMBARQ Brasil, comenta sobre isso em um artigo, em que ressalta que a utilização do transporte coletivo reduziu 25% nos últimos 15 anos, as frotas de veículos individuais motorizados cresceram e as mortes, oss congestionamentos e a poluição aumentaram.

A adoção de modais sustentáveis, de priorização a pedestres, ciclistas e usuários de transporte coletivo torna as cidades mais seguras, habitáveis, cheias de vida e de pessoas nas ruas. O TheCityFix Brasil traz bons exemplos pelo mundo afora, tendências e informações para inspirar cada vez mais melhorias na nossa realidade. Leia todas as nossas postagens sobre esse tema.