Mais ciclistas, menos acidentes

Ciclistas em Boulder (Colorado, EUA): estudo mostra que o número de acidentes tende a diminuir quanto maior for o de ciclistas nas ruas (Foto: Joe Philipson/Flickr)

Por serem mais vulneráveis em relação aos carros, acredita-se que os ciclistas contribuem para o aumento do número de acidentes no trânsito dentro das cidades. Essa associação, contudo, é um equívoco.

Um estudo da Universidade do Colorado, em Denver, nos Estados Unidos, mostra que a realidade pode ser diferente. O que os ciclistas possivelmente já sabem e o estudo veio provar é que o aumento no número de bicicletas circulando nas ruas ajuda a diminuir colisões e acidentes, tornando o trânsito mais seguro.

Bruce Jason, Wesley Marshall e Krista Nordback, professores da Universidade, são os autores do estudo e tiveram como ponto de partida a cidade de Boulder, com um dos índices mais altos de ciclismo no país. Doze por cento da população de 101 mil habitantes usam a bicicleta como meio de transporte, o que faz de Boulder uma das poucas cidades estadunidenses com um índice suficiente para atingir os benefícios de segurança documentados.

Por meio de funções de performance de segurança, os pesquisadores analisaram a relação matemática entre a frequência dos acidentes e os fatores ligados a eles. Em Boulder, o grupo estudou colisões em diferentes cruzamentos da cidade e compararam a análise com os dados relacionados às bicicletas. O resultado? Nos cruzamentos onde circulam menos de 200 bicicletas por dia, a incidência de acidentes era consideravelmente maior.

Uma possível explicação, de acordo com os pesquisadores, é o fato de que o comportamento dos motoristas tende a ser mais prudente quando sabem que estão em uma área com muitos ciclistas. Com mais prudência e atenção, consequentemente, diminuem os acidentes.

Na verdade, começamos a perceber que as cidades com mais ciclistas não são mais seguras apenas para os ciclistas, mas para todos. Melhorar a estrutura das ruas para acomodar as bicicletas pode aumentar a segurança para todo mundo.

Wesley Marshall

Saiba mais sobre o estudo.

Fontes: University of Colorado, Exame