O plano de transformação de Madri

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável: Madrid quer diminuir o uso do carro na cidade (Foto: Zhang Wenjie/Flickr)

Fazer da cidade um lugar agradável para as pessoas, restringir o uso do carro, em especial nas áreas centrais, e abrir mais espaço para os pedestres. Essas são algumas das pretensões do Plano de Mobilidade Urbana Sustentável (PMUS) de Madri, que pretende mudar a capital espanhola até 2020.

Desde 2006, as opiniões e necessidades da população foram ouvidas por meio da chamada Mesa da Mobilidade, órgão consultivo criado pela Prefeitura para estimular a participação popular no processo de construção do PMUS. A partir de um diagnóstico organizado pela prefeitura com essas informações, o ano de 2013 marcou o início dos trabalhos.

As medidas do Plano, que começam a ser implementadas a partir de 2014, incluem o aumento de 25% das áreas destinadas aos pedestres, a construção de mais vias exclusivas para os ônibus e a concessão de preferência para os coletivos nos cruzamentos, a limitação no tempo dos estacionamentos para os carros e o aumento da frota de bicicletas públicas elétricas.

Rua Fuencarral, exclusiva para pedestres desde 2006 (Foto: Juan Bosco Marcel)

Para colocar em prática o plano de mobilidade, a Prefeitura de Madri organizou um diagnóstico da atual situação da cidade – distribuição modal, intensidade do tráfego por área e horário, número de deslocamentos diários, entre outros dados. O documento que mostra que a capital espanhola pode melhorar.

Nos dias úteis, 2,5 milhões de deslocamentos de carro com origem ou destino em Madri são feitos nos três mil quilômetros de vias da cidade. A ocupação média é de apenas 1,1 pessoa por veículo. Embora a distribuição modal geral na cidade seja razoavelmente equilibrada (29% dos deslocamentos são feitos a pé ou de bicicleta, 42% de carro e 29% utilizando o transporte coletivo), entre os deslocamentos de ida ou volta do trabalho 75% ainda são feitos de carro.

Para mudar esse comportamento e incentivar tanto o uso do transporte coletivo quanto de meios alternativos de locomoção, o PMUS estabelece uma série de medidas. Uma delas é o aumento da frota de bicicletas elétricas disponíveis para aluguel, de 1.800 para 3.300, além do aumento da rede de ciclovias e das Zonas 30, onde bicicletas e carros dividem o mesmo espaço.

Os pedestres também têm destaque nas mudanças previstas pelo Plano. De acordo com informações do documento elaborado pela Prefeitura de Madri, as zonas peadonais das ruas Montera, Arenal e Fuencarral, que operam desde 2006, registraram um amento de 40% a 50% no fluxo de pedestres, e 93% dos moradores locais consideraram que a qualidade de vida melhorou muito ou bastante com a mudança. A fim de ampliar ainda mais esses benefícios, o PMUS prevê a ampliação das calçadas em determinadas áreas da cidade, além do fechamento de diversas ruas do centro, que deverão ser exclusivas para pedestres.

O PMUS é um plano estratégico para melhorar a qualidade ambiental, a segurança e o bem-estar dos moradores de Madri. O objetivo, acima de tudo, é fazer da capital espanhola uma cidade ainda mais aberta e agradável para as pessoas.

Fonte: Plataforma Urbana