Ricardo Montezuma e a ‘primavera’ da bicicleta na América Latina

Bikes já são elementos corriqueiros no cenário carioca. (Foto: Mariana Gil / EMBARQ Brasil)

A bicicleta está mudando paradigmas e hábitos da população na América Latina. Quem afirma é o urbanista Ricardo Montezuma, um dos responsáveis por transformações marcantes da mobilidade e do cenário urbano de Bogotá, Colômbia. O especialista esteve, esta semana, no Rio de Janeiro para o lançamento oficial do Manual de Projetos e Programas para Incentivar o Uso de Bicicletas em Comunidades, desenvolvido pela EMBARQ Brasil em parceria com as secretarias de Habitação e de Meio Ambiente do Rio.

“A bicicleta está vivendo uma ‘primavera’. Hoje houve uma mudança radical sobre os paradigmas clássicos das bicicletas nas nossas cidades”, diz. Para Montezuma, o apelo que temos visto na mídia utilizando a imagem da bicicleta como um símbolo de liberdade e objeto de desejo comprova isso. De acordo com o especialista, esse caminho foi consolidado pelos países desenvolvidos, especialmente europeus, que incentivam o uso de bicicleta como meio de transporte há décadas, como Dinamarca, Alemanha e Holanda.

Já na América Latina, o movimento ocorre com mais força em outra corrente: das pessoas em direção ao poder público. “São movimentos muitos fortes que reivindicam mais estruturas e fomento para o uso da bicicleta. Geralmente são jovens que catalisam essas ações por meio da Internet e das mídias sociais”.

Jovens se divertem com o sistema de bicicletas públicas do Rio. (Foto: Mariana Gil / EMBARQ Brasil)

Abaixo, confira a entrevista de Ricardo Montezuma ao TheCityFix Brasil:

Como e por que o transporte sustentável pode mudar a vida de uma cidade inteira?

Porque, em transportes, são muitas variáveis que estão relacionadas. Há questões ambientais, sociais, de saúde, de qualidade de vida e, sobretudo, o transporte urbano está relacionado com a cotidianidade da vida nas cidades. Todos os dias, várias vezes ao dia, as pessoas precisam se deslocar e, muitas vezes, é uma experiência desagradável. Então, quando existem transportes sustentáveis e de qualidade, uma das experiências mais importantes da vida comum se modifica – que é se mover. Por isso, a cidadania é suscetível à qualidade do transporte, ou seja, a maneira como nos deslocamos. Por isso, fazer mobilidade sustentável é mudar a vida dos cidadãos todos os dias.

Foto: Mariana Gil / EMBARQ Brasil

E a bicicleta é um ponto-chave para essa mudança?

Certamente. A bicicleta é um dos modos mais eficientes e, acima de tudo, ecológico, saudável, ocupa muito pouco espaço e é econômico. Tem externalidades muito positivas e pode ser usado por um grande grupo de cidadãos em uma cidade – 10%, 20% ou até 30% poderiam usa-lo. Ou seja, é um sistema com um potencial muito grande que as cidades da América Latina não têm aproveitado…

Por que acha que isso ocorre com as cidades latino-americanas?

Ainda somos muito influenciados pelo estilo de vida norte-americano, baseado no automóvel, em ideias fortes de que a cidade deve se mover por rodovias e avenidas, e totalmente baseada no consumo de combustível fóssil. Mas felizmente acredito que a globalização das ideias e de muitos temas tem ajudado a bicicleta nos últimos 10 anos a construir novos paradigmas ao seu redor. A temática da bicicleta está mudando no mundo inteiro.

Qual a importância de publicações técnicas e práticas como o Manual de Projetos e Programas para Incentivar o Uso de Bicicletas em Comunidades?

A publicação da EMBARQ Brasil é particularmente útil por que dá ênfase a comunidades que tradicionalmente usam bicicleta: as comunidades populares, as favelas. Apesar de que alguns moradores têm ou poderiam ter motocicleta e carro, o uso da bicicleta é tradicional nessas áreas e muitos querem seguir utilizando-a como meio de transporte. Então, dar atenção a isso é dar atenção a um grupo de pessoas que utiliza bicicleta e pode passar a ter melhores condições e benefícios com seu uso. Gostaria de parabenizar a EMBARQ Brasil pela ideia muito original e as secretarias envolvidas em pensar sobre as bicicletas nas comunidades de base. 

Clique aqui para visualizar e baixar o Manual de Projetos e Programas para Incentivar o Uso de Bicicletas em Comunidades!

Ricardo Montezuma e Rejane Fernandes, da EMBARQ Brasil, durante o lançamento. (Foto: Mariana Gil / EMBARQ Brasil)