MOVE: Belo Horizonte ganha novo corredor BRT

Menos de dois meses após o lançamento do seu primeiro sistema BRT (Bus Rapid Transit), a capital mineira ganhou seu segundo corredor: o MOVE Antônio Carlos. A partir de agora, a população e os visitantes de Belo Horizonte têm um modal rápido e confortável para viajar do centro até a região da Pampulha – onde fica o Mineirão, estádio que receberá jogos da Copa, passando pela área Hospitalar e pela Universidade Federal (UFMG). O TheCityFix Brasil, é claro, foi até a cidade acompanhar de perto a viagem inaugural e conta tudo pra você.

A viagem começou na área central, assim como no dia do lançamento do primeiro corredor do MOVE. A diferença desta vez é que tivemos mais tempo no local, o que possibilitou ver a região por uma nova perspectiva: encontramos uma cidade mais humana. A começar pela priorização ao transporte sustentável: a avenida central é completamente livre do tráfego de carros, a não ser para conversão. O cenário, além das modernas estações do BRT, conta com ciclovias, corredores do MOVE e uma faixa central para pedestres. Confira:

Pedestres têm circulação com segurança garantida na Av. Paraná, no centro da cidade.

 

(Foto: Luísa Zottis/EMBARQ Brasil)

Embarcamos no ônibus  às 10h30 numa viagem que levou cerca de 30 minutos até o terminal Pampulha. No trajeto, tivemos a oportunidade conversar com o prefeito, Marcio Lacerda, e com o presidente da Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans), Ramon Victor Cesar. Lacerda nos contou que o primeiro corredor do MOVE, o Cristiano Machado, teve 85% de aprovação na primeira pesquisa de satisfação realizada. “Pessoas de todas as rendas estão deixando o carro em casa e optando pelo MOVE”, celebrou. Ramon, por sua vez, explicou que o Antônio Carlos é o corredor mais importante do sistema. “Nesta primeira fase, três linhas troncais e sete alimentadoras atenderão 40 mil passageiros a cada dia. Em duas semanas, ampliaremos o número de linhas, até chegarmos à operação completa, transportando 400 mil pessoas diariamente”.

O trajeto reflete como será a rotina daqui pra frente. Veículos com ar condicionado e silenciosos viajam na pista exclusiva, enquanto as vias laterais seguem no fluxo misto intenso. No entanto, um sistema tão importante para o desenvolvimento da cidade ainda gera dúvidas, principalmente em relação à implantação por fases, e não completa. Segundo o presidente da BHTrans, é uma estratégia que favorece o usuário. “O sistema deve entrar na rotina da população e isso não pode ocorrer de um dia para outro. O usuário precisa conhecer o sistema e acostumar-se às mudanças”. O diretor-presidente da EMBARQ Brasil (produtora desde blog e organização parceira de BH no projeto do MOVE), Luis Antonio Lindau, reforça que esta é uma prática essencial. “O BRT difere de sistemas construídos debaixo do solo, em que a situação está totalmente sob controle. No mundo do ônibus, a tradição é fazer ajustes numa implantação gradativa. Uma das belezas do sistema é ter essa flexibilidade. Um bom BRT é aquele que está sempre se ajustando”, explicou.

O prefeito de BH, Marcio Lacerda, o presidente da BHTrans, Ramon Victor Cesar ao fundo, Luis Antonio Lindau (diretor-presidente da EMBARQ Brasil – produtora deste blog), Célio Freitas (diretor de planejamento da BHTrans) e Guillermo Petzhold, engenheiro de transportes da EMBARQ Brasil, na viagem inaugural do MOVE Antônio Carlos. (Foto: Luísa Zottis/EMBARQ Brasil)

Passageira mirim a bordo! (Foto: Luísa Zottis/EMBARQ Brasil)

E a perspectiva para o futuro é positiva. O diretor-presidente da EMBARQ Brasil, Luis Antonio Lindau, salientou que Belo Horizonte é uma das cidades brasileiras que serão modelo no país. “Eu classificaria as cidades-sede da Copa em três grupos. As que buscaram implantar o BRT, grupo no qual BH, Rio de Janeiro e Brasília estão; as que se dedicaram a sistemas que nunca saíram do papel, com base ferroviária; e as cidades que fizem um misto de obras viárias para o automóvel e alguma coisa tímida em relação a ônibus. Fico feliz que BH está nesta linha de frente e vai influenciar o país em termos de mobilidade”.

A EMBARQ Brasil (produtora deste blog) é parceira de Belo Horizonte há quatro anos e realiza uma série de projetos de qualificação do BRT MOVE. Conheça-os aqui.

Até eu saí na foto oficial. Da esquerda pra direita, Guillermo Petzhold (engenheiro de transportes da EMBARQ Brasil), Luis Antonio Lindau (diretor-presidente da EMBARQ Brasil), Luísa Zottis (da equipe de comunicação da EMBARQ Brasil e blogueira do TCFB), o prefeito Marcio Lacerda, Ramon Victor Cesar, presidente da BHTrans, e Célio Freitas, diretor de planejamento da BHTrans.

Av. Antônio Carlos: MOVE anda na pista livre, enquanto carros seguem no fluxo misto. (Foto: Luísa Zottis/EMBARQ Brasil)

A estação UFMG (foto) fica em frente à Universidade. Comodidade aos alunos, professores e funcionários. (Foto: Luísa Zottis/EMBARQ Brasil)