Urbanismo tático: um novo sentido, um novo lugar

Urbanismo tático: intervenções rápidas que mostram o potencial da mudança (Foto: Paul Krueger/Flickr)

A combinação de planejamento de longo prazo com estratégias de transformação rápidas e baratas, além de uma fórmula eficaz para pôr boas ideias em prática, pode ser uma ferramenta para articular e estimular o exercício da cidadania sobre temas de impacto positivo na qualidade de vida.

É sob essa perspectiva que trabalha o urbanismo tático, nome dado ao movimento que utiliza projetos rápidos, pequenos e/ou temporários para demonstrar a possibilidade e o potencial de mudanças em larga escala e a longo prazo.

Em San Diego, nos Estados Unidos, está em curso um desses projetos, visando à ocupação dos espaços urbanos. O proprietário de um terreno cedeu o espaço, e a organização do projeto consultou as pessoas para saber o que elas gostariam de ver naquela área.

Participação cidadã (Foto: Claire Trageser)

O resultado? O estacionamento cedido pela imobiliária HP está sendo transformado em um parque público, com inauguração prevista para junho. Além de elementos característicos como bancos e árvores, o projeto prevê instalações artísticas que se renovem periodicamente, a fim de atrair diferentes públicos.

Um estacionamento não precisa ser um estacionamento para sempre; pode ser transformado em algo incrível.

David Loewenstein, diretor da RAD Lab

Áreas ociosas – ou lugares sem vida como um estacionamento – podem ser transformadas em espaços públicos de convivência e lazer e levar mais felicidade e qualidade de vida para as pessoas. Iniciativas como essa fazem a diferença nas cidades, e o desafio é mantê-las vivas. A RAD Lab, empresa responsável pelo projeto, quer garantir a permanência do parque e mostrar que existe, sim, demanda por mais espaços urbanos públicos.

Ao conferir novos sentidos para os lugares a partir de mudanças rápidas, o urbanismo tático cria cidades mais amigáveis aos moradores e, muitas vezes, motiva as pessoas a repensarem seus hábitos por meio dos diferentes encontros e trocas que esses espaços possibilitam.


Fontes: Arch Daily Brasil, Plataforma Urbana, CBS News