Bloomberg Philanthropies é a 2ª organização mais inovadora do mundo

Michael Bloomberg, fundados da Bloomberg Philathropies, trabalha com foco nas principais questões globais. (Foto: Boss Tweed/Flickr)

Michael Bloomberg foi prefeito de Nova York por três mandatos consecutivos. Ele também é fundador de uma companhia multibilionária que leva seu nome. Com experiência em políticas públicas e nos negócios, ele também é motivado a solucionar as principais questões globais. De forma eficiente e com base em resultados mensuráveis, o que levou a Bloomberg Philanthropies (sua organização filantrópica) a ser a 2ª colocada no ranking de companhias mais inovadoras do mundo – atrás apenas do Google – pelo ranking The World’s Most Innovatives Companies 2014 da Fast Company.

Com a visão de que as cidades têm potencial para desenvolver soluções em prol de um mundo melhor, a equipe da Bloomberg Philanthropies atua em cinco frentes: saúde pública, meio ambiente, educação, inovação governamental e artes e cultura. Em 2013, a organização, que é uma das maiores do setor nos Estados Unidos, distribuiu 452 milhões de dólares.

Para identificar suas prioridades, medir resultados, avaliar impactos e ampliar projetos, dados são fundamentais à equipe de Bloomberg. Processos metódicos, com resultados mensuráveis, têm tornado a organização “extraordinariamente efetiva” na visão da Fast Company. Dados serviram para que a Bloomberg Philanthropies mapeasse, por exemplo, as dez principais causas de mortes no mundo.

O mapa do trabalho em segurança viária apoiado pela Bloomberg Philanthropies no mundo. Rede EMBARQ é parceira. (Infográfico: Bloomberg Philanthropies)

A nona delas, conforme a organização, é o trânsito. Por isso, trabalha em parceria com a rede EMBARQ como parte do Bloomberg Global Road Safety Program, Com a EMBARQ Brasil (produtora deste blog), realiza auditorias técnicas de segurança viária em projetos de corredores BRT. A auditoria de segurança propõe alterações de layout no projeto que podem reduzir o número de acidentes e diminuir drasticamente o número de mortes no trânsito – até 40%. Por isso, a medida é um passo fundamental para reduzir o risco de colisões e salvar vidas. Além disso, por ser feito antes da implantação das linhas de BRT, o estudo proporciona economia aos cofres públicos, uma vez que é menos oneroso modificar desenhos de projetos do que reabilitar instalações já em operação.

Outra iniciativa que foi destacada pela Fast Company como inovações é o Mayors Challenge, um desafio para que prefeitos desenvolvam soluções que possam ser aplicadas não apenas na sua cidade, mas inclusive em outros países. A vencedora da última edição foi Chicago, com uma plataforma de dados para facilitar a gestão pública a agir em prol da saúde, clima e emergências de trânsito. Neste ano, a Bloomberg Philanthropies realiza a competição em cidades da Europa.

Um grande objetivo dos programas da Bloomberg Philanthropies: salvar vidas. (Foto: Bloomberg Philanthropies Facebook)