A resposta de um motorista

No dia 11 de abril, um relato chamou a atenção no grupo BRT – Rio de Janeiro, no Facebook. O de um motorista.

Os motoristas são muitas vezes os principais culpados quando acontece um acidente envolvendo um ônibus ou um BRT. E, diante do alto número de mortes e acidentes, não é difícil esquecer de abrir os olhos também  para quem está no volante.

Sergio Pessoa, 39, anos é motorista de ônibus da Viação Litoral Sul e evitou um acidente e duas possíveis mortes.

Motoristas também salvam vidas (Foto: Sergio Pessoa/Facebook)

Ontem, dia 10 de abril, as 18:20 horas, dirigindo o BRT 20270 na linha Mato Expresso, na Avenida das Américas próximo a Cetex, no sentido Mato Alto, avistei a 20 metros na minha frente, na faixa da direita dos carros de passeio, uma moto com dois ocupantes fazendo ziguezague e balançando num total desiquilíbrio. Pensei que fosse brincadeira do motoqueiro, pois na pista tinha poucos carros, e em 10 segundos a moto tombou e os dois ocupantes, junto com a moto, deslizaram no asfalto em direção à pista do BRT.

Meus amigos, os corpos dos dois ocupantes da moto pararam com a parte do peito até a cabeça dentro da pista do BRT e, com a freada que dei, parei a 50 centímetros de passar com a roda dianteira direita em cima da cabeça dos dois. Se tivesse um carro de passeio na faixa da esquerda bloqueando a minha visão, eu não teria me alertado pela moto apresentando problemas e a tragédia teria sido pior. Parece que o pneu dianteiro da moto tinha estourado.

Vi pelo retrovisor os dois homens se levantando com dores nos braços e segui viagem, pois estava bloqueando a passagem de outros BRTs. Eu não tinha como tirar o BRT da pista para evitar o atropelamento, pois entre as duas pistas do BRT nesta localidade existe uma vala funda para escoamento de água da chuva, e se eu desviasse causaria um acidente de grandes proporções com os passageiros.

Deus me deu este livramento, e queria compartilhar com vocês. Infelizmente não tenho as imagens, e queria muito que a Prefeitura ou a Litoral Rio divulgasse essas imagens, pois quando tem um acidente com o BRT transformam nós, os motoristas, em vilões, e os politiqueiros de plantão colocam a culpa no projeto do BRT devido aos acidentes que acontecem por imprudência de pedestres, ciclistas, motoqueiros e carros de passeio, que não respeitam a sinalização de uma pista que é exclusiva.

Todos nós motoristas de ônibus articulados do BRT todos os dias evitamos acidentes que nunca são noticiados.

Existem imagens gravadas que são arquivadas e nunca divulgadas.

Nós, motoristas do BRT, não somos personagens do jogo GTA, somos pais, somos filhos, somos homens que sabem da responsabilidade que têm em mãos, mas infelizmente não podemos adivinhar que alguém fará uma besteira na nossa frente em questão de segundos e evitar tantos acidentes que são causados por imprudência de terceiros.”

Segurança em primeiro lugar

Um ponto é crucial no relato de Sergio: bons motoristas salvam vidas todos os dias. Os motoristas, quando devidamente treinados, sabem o que fazer para evitar um possível acidente e em que condições dirigir para prevenir que aconteçam. Se Sergio estivesse em alta velocidade, não teria freado a tempo.

A imprudência no trânsito custa milhares de vidas todos os anos no Brasil. Para mudar isso, e provar que é possível ter mobilidade e segurança ao mesmo tempo, é preciso de educação e capacitação.

É para tornar a preocupação com a segurança viária um prioridade dentro das empresas de transporte urbano – e entre os próprios motoristas – que a EMBARQ Brasil, em parceria com a EMBARQ México, criou o projeto Segurança em Primeiro Lugar. O programa busca aprimorar a gestão dos programas de treinamento em segurança dos motoristas de ônibus para reduzir o número de incidentes envolvendo ônibus urbanos nos países latino-americanos.

São três fases – treinamento dos motoristas, programas permanentes de desenvolvimento pessoal-profissional e monitoramento – ao longo das quais será tratada especialmente a prioridade da segurança no exercício da profissão.