Quatro cidades e o desenvolvimento do transporte sustentável

Festival EcoMobility, em Suwon, na Coréia do Sul: durante um mês, o evento tentou fazer com o que os moradores vissem como seria um ambiente livre de carros (Foto: EcoMobility/Reprodução)

O transporte sustentável, eficiente e seguro não apenas tem um impacto significativo no planeta em termos ambientais como tem o potencial de melhorar os espaços públicos, a saúde e a economia das cidades. As áreas urbanas já produzem 75% das emissões globais de CO2 – devido em grande parte ao transporte urbano – e devem ser responsáveis por 65% do crescimento econômico global até 2025. Em outras palavras, elas são o cenário onde será travada a luta por um desenvolvimento mais sustentável. E essa luta já começou.

Não é à toa, portanto, que muitas cidades do mundo tentam reduzir a dependência do automóvel, encorajar meios alternativos de locomoção – entre eles a caminhada – e estimular o uso do transporte coletivo. Acabando com a prioridade dos carros, espera-se criar ambientes urbanos mais saudáveis e sustentáveis e reduzir o tempo perdido nos deslocamentos feitos cotidianamente. As grandes mudanças não acontecem de um dia para o outro – possivelmente nem de um ano para o outro –, mas algumas cidades têm se destacado nessa empreitada.

Buenos Aires, Argentina

A capital do país, com mais de três milhões de habitantes, recentemente introduziu dois grandes sistemas BRT. A Avenida 9 de Julio, conhecida por ser a mais larga do mundo, reduziu pela metade o espaço destinado aos carros: de 20 para 10 faixas. O restante está ocupado pelo BRT, que une no mesmo sistema os elementos característicos de um serviço de ônibus convencional com o conforto do metrô. E o tempo para atravessar a cidade também caiu, de 40 para aproximadamente 15 minutos.

Suwon, Coréia do Sul

Localizada ao sul da capital Seoul, a cidade organizou, durante um mês inteiro, um festival para fazer com que os moradores imaginassem como seria um ambiente livre de carros. O EcoMobility World Festival 2013 pediu às pessoas que circulassem sem carro, deixando mais espaço para pedestres e ciclistas, para que pudessem perceber que boa parte das tarefas do dia a dia podem ser cumpridas sem o uso do carro. Desde então, a cidade manteve parte da infraestrutura do festival e criou os fins de semana sem carro. Confira abaixo alguns números do EcoMobility:

Lanzhou, China

Em 2013, Lanzhou também implantou um sistema BRT – o segundo maior na Ásia. O corredor da cidade, com 9km de extensão, atende uma demanda diária de 140 mil passageiros e é integrado a um estacionamento e sistema de aluguel de bicicletas.

BRT de Lanzhou (Foto: ITDP/Reprodução)

Indore, Índia

Como muitas cidades na Índia, Indore abriga uma população em constante crescimento. As ruas veem congestionamentos cada vez maiores, e a degradação ambiental aumenta em consequência do também crescente uso do carro. O sistema BRT da cidade, com 11km de extensão, atende uma demanda de 22 mil passageiros por dia. O espaço tirado dos carros é compensado pelas melhores condições de tráfego e pelo aumento da qualidade de vida da população.

Fonte: Co.Exist