A Nova York de Bloomberg

Caminhar na Times Square, em Nova York, é uma experiência única. O show de luzes e os arranha céus diante dos nossos olhos são de tirar o fôlego. E o melhor: podemos comtemplar a paisagem tranquilamente com a certeza de que não seremos… atropelados. Isso porque o ex-prefeito Michael Bloomberg, que acaba de deixar o cargo, baniu a circulação de automóveis do local como parte de uma política para tornar a cidade mais humana, segura e sustentável.

Quando assumiu o comando, logo após os ataques de 11 de setembro de 2001, Bloomberg encontrou uma cidade arrasada. Mas ele vislumbrou um futuro além de seu tempo e conduziu a megalópole a um novo patamar. E a mobilidade urbana sustentável foi um dos pilares que embasou essa transformação.

Novas opções de transporte, incentivo à bicicleta e a priorização do pedestre impactaram positivamente a cidade e os hábitos de deslocamento da população, com mais vidas salvas (uma redução de 40% nas fatalidades de trânsito) e quatro vezes mais ciclistas nas ruas. Além disso, Nova York é a cidade líder nos Estados Unidos no combate às mudanças climáticas – até 2030, as emissões de gases do efeito estufa serão 30% menores. Veja, abaixo, alguns dos feitos:

ZONAS 30

Os cinco bairros de NYC ganharam zonas cujo limite de velocidade que passou de 50 km/h para 30 km/h. Ao todo, são 14 zonas 30 projetadas com marcadores de velocidade, sinalização visual e marcações para priorizar a segurança nas áreas residenciais.

PRIORIZAÇÃO DO PEDESTRE

Assim que souberam que os carros seriam banidos de locais movimentados, os nova-iorquinos protestaram contra o prefeito. Bloomberg seguiu com a ideia adiante, sabendo que eles o agradeceriam mais tarde. “Esses locais agora ficam lotados, com 20.000 pessoas às 11 horas da noite, o que foi excelente para o comércio”, afirmou Bloomberg. Sinalizações para a melhoria do ambiente viário também foram feitas.

APOIO À BICICLETA

Bloomberg viu nas bicicletas um componente chave para o desenvolvimento sustentável de Nova York. Após estudos em duas cidades referência quando o assunto é bicicleta – Copenhage e Amsterdã – mais de 700 km de ciclovias foram incorporados à cidade. Além disso, o maior sistema de bike sharing hoje no mundo, o Citibike, foi inaugurado há apenas meio ano, com seis mil bikes distribuídas em 330 estações.

Não tem como não se apaixonar ainda mais pela cidade depois de ver essas fotos. E tem um detalhe que é legal salientar. Alguém aí percebeu que grande parte das melhorias foram feitas com TINTA? Sim, tinta e muita coragem de enfrentar uma mentalidade que ainda é alienada pela cultura automobilística.

Fonte: site oficial Fotos: NYCStreets