Europeus compram mais bikes do que carros

(Foto: mainfish)

Não é novidade que o continente europeu é amigo da bicicleta, afinal, boa parte das melhores cidades do mundo para pedalar fica lá. A novidade é que a venda das magrelas superou a dos carros, aponta estudo da organização NPR, que constatou um resultado favorável à bike nos estados membros da União Europeia à exceção de Bélgica e Luxemburgo.

A explicação para o “boom” das magrelas poderia ser o declínio da venda de carros dos últimos 20 anos na Europa, que coincidiu com a crise econômica, aponta a NPR.

Gráfico: reprodução/ANTP

Mas, como os dados sempre falam mais alto, aí vão razões incontestáveis para priorizar de vez a bicicleta como meio de transporte urbano:

Economia: numa cidade como São Paulo, por exemplo, os congestionamentos de carros levam a um prejuízo anual de R$ 50 bilhões, mais do que o orçamento de 2013, equivalente a R$ 42 bilhões, aponta pesquisa.

Congestionamentos são fatores comuns à grande parte dos centros urbanos mundiais. (Foto: Flickr/ 2 dogs)

Saúde: a Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou a poluição atmosférica como fator cancerígeno, matando 223 mil pessoas em 2010. E veja que “coincidência”: retomando o parâmetro brasileiro, em São Paulo, onde os congestionamentos são quilométricos, 90% desta poluição provém do setor de transportes.

Camada de poluição em São Paulo (Foto: Atitude Eco)

Qualidade de vida: em função do trânsito, o estresse, a raiva e a frustração estão aumentando no mundo, concluiu estudo do IBM Global Commuter Pain Survey 2011 sobre deslocamentos em horário de pico. Além disso, em uma pesquisa com 16 mil pessoas, 48% afirmaram que trabalhariam com mais dedicação e empenho se pudessem diminuir o tempo gasto em deslocamento até o trabalho.

Logo, chegamos à seguinte fórmula: bicicleta é igual a menos congestionamento, mais economia, mais saúde e qualidade de vida. E o índice europeu mostra que o continente pedala nessa direção.