“Para fazer mudanças, é preciso apresentar modelos reais de transformação”

Alejandro Echeverri (Foto: Reprodução/Picnic Fotografia)

Serão necessários mais 10 ou 15 anos para Medellín, cidade colombiana que nos anos 1980 e 1990 carregou o desonroso título de mais violenta do mundo, concluir o ciclo de transformação urbana e social por que vem passando na última década – que serve de inspiração para o Rio. Aqui, no Brasil, como lá, tudo depende da continuidade das politicas públicas voltadas à inclusão dos mais pobres, diz o arquiteto Alejandro Echeverri, que está no Rio para participar do seminário Arq.Futuro – iniciado ontem (23), com continuidade em São Paulo de amanhã a sexta-feira. Em entrevista, ele fala das lições que Medellín pode dar ao Brasil:

O modelo de Meddelín inspirou o Rio. É possível reproduzir seus resultados?

Implementar modelos tendo experiências de outras cidades como referência não é tão fácil. Quando começamos, um dos casos que nos interessou muito foi o do projeto carioca Favela-Bairro (de urbanização de favelas, da década de 1990). Da mesma forma, vieram outros governos a Medellín para reproduzir o nosso. Infelizmente – não estou dizendo que é o caso do Rio -, às vezes pegam só as iniciativas mais visíveis, mas não são todos os processos que garantem a permanência e o impacto social do programa.

Qual a importância de se levar arquitetura de vanguarda a comunidades pobres?

Mais do que arquitetura de vanguarda, tem de levar boa arquitetura. Medellín ainda está no início do processo, serão necessários mais 10 ou 15 anos, nada estará garantido. O que fizemos foi incluir a comunidade nos processos culturais, econômicos e sociais da cidade “normal”. A estética, a atualidade, o design das obras, isso é fundamental para gerar apropriação, valorização e respeito, para que os edifícios sejam pontos de atração para toda a cidade, e não só para as comunidades em que estão.

Na Rocinha, o governo queria instalar um teleférico, mas para a população a prioridade deveria ser saneamento básico- Existe um limite para a participação popular?

As decisões têm de ser acordadas, mas nem todas podem ser objetos de participação popular. Há questões estratégicas, como de transporte, que vão implicar mudanças (…) e necessidade de remoções de famílias. Algumas das obras que hoje têm mais êxito em Medellín, como a Biblioteca Espanha, tiveram a princípio muita resistência, porque a população não entendia quais seriam os benefícios -120 famílias foram removidas. A biblioteca virou um projeto emblemático, um marco de participação comunitária. Um sucesso.

Um slogan da sua passagem pela prefeitura de Medellín foi “planejar para não improvisar”. Como isso é possível em áreas marcadas pela informalidade?

Combinamos planejamento e execução de projetos. Mão é possível ser absolutamente teórico. Os projetos-modelo ajudaram muito. Para fazer mudanças nas comunidades, é difícil explicar apenas de forma abstrata, mostrando desenhos: é preciso apresentar modelos reais de transformação.

O combate ao crime tem de vir com as intervenções urbanas?

Claro que a violência do narcotráfico não se soluciona unicamente com intervenções urbanas. Na Colômbia, o governo federal focou em segurança e a prefeitura, na reconquista dos espaços públicos. Ainda temos problemas de segurança, e esse processo é frágil, porque a política é frágil.

Entrevista publicada originalmente no jornal O Estado de S. Paulo, em 24/09/2013, por Roberta Pennafort.

***

QUEM É

Alejandro Echeverri é arquiteto e desde 1995 dedica-se a pensar a integração social por meio da construção espaços urbanos públicos como bibliotecas, escolas, parques e centros culturais e comunitários. Entre 2005 e 2008  foi secretário de Desenvolvimento Urbano de Medellín, cidade para a qual concebeu um plano de desenvolvimento dando prioridade às áreas mais pobres.