Dia do Pedestre: cadê a faixa que estava aqui?

Neste Dia do Pedestre algumas esquinas amanheceram diferentes em São Paulo. Durante a madrugada, o Greenpeace realizou uma intervenção urbana para chamar a atenção de motoristas e autoridades e cobrar mais respeito e infraestrutura para os pedestres. O grupo pintou faixas pontilhadas onde deveria existir uma faixa de segurança com a pergunta “Cadê a faixa que estava aqui?”.

Campanha chama atenção para faixas de segurança apagadas (Foto: Otávio Almeida)

Um levantamento feito pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo apontou que os pedestres lideram o ranking de mortes no trânsito no estado: em 2011, 39% das mortes notificadas foram de pedestres. Diante de números como esses, toda iniciativa é bem-vinda.

A intervenção foi feita em ruas de três pontos da cidade com alta ou média circulação de pedestres – Itaquera (esquina da rua Francisco Rodrigues Seckler com a Bento Vieira de Castro), República (na avenida São João com a rua Conselheiro Crispiniano) e Butantã (no cruzamento das ruas Moncorvo Filho e Alvarenga). O primeiro bairro foi escolhido por ter tido o maior índice de acidentes fatais em 2012. A faixa da República está em uma das Zonas de Máxima Proteção ao Pedestre, e a rua no Butantã foi pintada por estar próxima de uma estação o metrô e da USP.

Além de São Paulo, a campanha também está em outras sete capitais brasileiras: Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Brasília, Recife, Manaus e Salvador. A ação é parte da campanha #Cadê?, criada para cobrar planos de mobilidade para o país.