Macapá (AP) constrói plano de mobilidade urbana

Você sabia que todas as cidades brasileiras com mais de 20 mil habitantes devem entregar, por lei, um plano de mobilidade urbana até abril de 2015? E sabia que a participação cidadã no processo de construção dele é obrigatória?

O que resta saber é ter certeza se elas vão se preocupar apenas em atender a norma ou, de fato, em criar mecanismos de mudanças culturais e ambientais, ou seja: planejar uma cidade voltada para as pessoas e para o transporte sustentável.

Macapá. (Foto: reprodução)

Macapá, a cidade banhada pelo Rio Amazonas e por onde passa a linha do Equador, deu um importante salto neste quesito.

Durante dois dias (31/07 e 01/08), 200 pessoas, entre população, tomadores de decisão e técnicos, trabalharam juntas no evento “Do PAC ao Plano” para definir as principais diretrizes que estarão no plano de mobilidade urbana da cidade de 407 mil habitantes.

O projeto, uma parceria entre Prefeitura de Macapá e EMBARQ Brasil (produtora deste blog), tem como grande objetivo qualificar o plano de mobilidade urbana para, além de tornar as cidades lugares melhores para viver, garantir os recursos financeiros do PAC.

Para a elaboração do plano, o evento desenvolveu uma série de palestras e metodologias voltadas ao debate e à construção conjunta dos participantes.

O primeiro dia contou com as palestras O DNA da Sustentabilidade (pelo diretor-presidente da EMBARQ Brasil, Luis Antonio Lindau); Os Desafios da Lei de Mobilidade Urbana (pelo engenheiro e ex-secretário nacional de mobilidade urbana do Ministério das Cidades, José Carlos Xavier); e A Construção do Plano de Mobilidade Urbana Sustentável (pela diretora de projetos e operações da EMBARQ Brasil, Daniela Facchini).

No segundo dia, a metodologia World Café definiu as principais diretrizes para o plano de mobilidade urbana de Macapá, que foram, principalmente, priorizar as pessoas, os transportes sustentáveis e o uso eficiente das vias públicas, tudo para que a cidade ganhe mobilidade urbana e qualidade de vida. Ao fim do workshop, foi feito um alinhamento estratégico com o cronograma de cada etapa de construção do plano.

A expectativa é que até o final do ano que vem o plano esteja pronto e aprovado.

– “Esta é a oportunidade para pactuar um plano democrático, humano e criativo”, avaliou o prefeito de Macapá, Clécio Luís Vieira

– Como seria a cidade que todos gostariam de viver no futuro? O questionamento, feito pelo diretor-presidente da EMBARQ Brasil, Luis Antonio Lindau, foi o norte das atividades no evento, que contou com palestras e dinâmicas.

– “Queremos sistemas bike sharing, além de mais espaço para a bicicleta, com estacionamentos nas ruas e em órgãos públicos, e integração com o transporte coletivo. Calçadas seguras e com alto nível de caminhabilidade para os pedestres também devem ser prioridade no nosso plano” – assegurou Cristina Bedini, presidente da CTMac, órgão responsável pelo plano.

Cristina Bedini

O prefeito Clécio Luis

Luis Antonio Lindau

Fotos: Mariana Gil/EMBARQ Brasil