Print Friendly, PDF & Email
E quem anda de carro, o que tem a ver com isso?

Viaduto sobre a avenida Rubem Berta, em São Paulo (Foto: UOL/Reprodução)

As manifestações populares contra o preço do transporte não são novas. Já em 1880, no Rio de Janeiro, a Revolta do Vintém levou as pessoas às ruas em protesto contra o aumento das tarifas de bonde na capital fluminense. Recentemente, uma nova onda de manifestações em todo o país trouxe de volta a mesma reivindicação.

Mas e quem anda de carro, o que tem a ver com isso?

Em decorrência do custo e das condições do transporte coletivo, quem tem oportunidade muitas vezes acaba trocando o ônibus por carros ou motos. O problema é que, além de provocar o aumento dos congestionamentos, essa opção, quanto tomada por milhões de pessoas, gera consequências também para a saúde pública – desde os problemas causados pela poluição até o número de acidentes (veja aqui e aqui).

O gráfico abaixo demonstra a diminuição no número de usuários do transporte público em Salvador, em função da qualidade do serviço prestado e do valor das tarifas aliados às facilidades de acesso ao crédito para a compra de veículos.

Gráfico elaborado com base em dados disponíveis no Sistema de Informação Municipal de Salvador (Fonte: Rua de Gente)

Para reverter a situação, que pode ser observada em diversas cidades brasileiras, fazem-se necessárias ações por parte da sociedade e do poder público. Muitas cidades já reduziram o preço cobrado pelas passagens no transporte coletivo. E em São Paulo, por exemplo, a remuneração das empresas de ônibus passará a considerar também a satisfação do passageiro.

Qualquer melhoria empreendida no sistema de transporte coletivo tem efeito direto para os usuários, mas a manutenção do debate é necessária para que mais possa ser feito. Os ônibus desempenham uma função indispensável para a mobilidade das cidades, oferecendo vantagens de flexibilidade quanto a itinerários e adaptação às modificações das vias urbanas. O sistema BRT, que vem sendo gradativamente implantado no Brasil, é um exemplo de como o transporte coletivo pode avançar, garantindo velocidade e conforto aos passageiros.

Texto adaptado do blog Rua de Gente.

Print Friendly, PDF & Email

3 Responses to “E quem anda de carro, o que tem a ver com isso?”

Add your response