A importância do transporte coletivo por ônibus

Os ônibus começaram a operar em grande escala por volta de 1910, oferecendo as vantagens de flexibilidade quanto a itinerários, adaptação às modificações das vias urbanas e custos de instalação mais baixos, se comparados às soluções ferroviárias. A rapidez e as facilidades do transporte ‘porta-a-porta’ o tornaram um meio de transporte de rápida difusão, especialmente nas metrópoles dos países menos desenvolvidos devido à escassez de recursos.

Atualmente, o modal é responsável por 25% de todas as viagens realizadas por ano no Brasil ou 85% se considerarmos apenas o cenário do transporte coletivo. Até mesmo no contexto americano, o ônibus representa mais de 50% das viagens realizadas no transporte público.

Sistema BRT Metroplús , em Medellín, Colômbia. (Foto: Mariana Gil/EMBARQ Brasil)

Neste contexto, é de fundamental importância a adoção de políticas que visem sua prioridade como a dedicação de faixas que os separem do tráfego de veículos particulares. Uma vez que isso possibilita atingir maiores velocidades médias comerciais e, consequentemente, uma maior satisfação do usuário, uma vez que quanto maior a velocidade e menor a variabilidade (ocasionada pela segregação da faixa), melhor a avaliação do sistema.

Atualmente, segundo os dados do BRTdata.org, há 277 corredores de ônibus e BRT localizados em 156 cidades de 38 países distintos. No total, mais de 25 milhões de passageiros são transportados diariamente nestes sistemas.

Lançado há um ano, o site foi desenvolvido a partir de uma parceria entre quatro organizações globais: o Centro de Excelência BRT – Across Latitudes and Cultures (ALC-BRT CoE); a EMBARQ, o centro de transporte sustentável do World Resources Institute (WRI); a Associação Latino-Americana de Sistemas Integrados e BRT (SIBRT) e a Agência Internacional de Energia (IEA).

Confira aqui o panorama atual dos sistemas BRT e corredores de ônibus no mundo.