Mais carros nas vias, mais crianças internadas

Por Luísa Zottis

O intenso tráfego de veículos na cidade de São Paulo não é ruim apenas para os motoristas. Uma pesquisa da Faculdade de Saúde Pública da USP aponta que o problema causa aumento na internação de crianças de até cinco anos de idade por problemas respiratórios.

No estudo, foram relacionadas as internações por doenças respiratórias e o volume do tráfego no entorno das residências dos pacientes internados.

O autor da pesquisa, o geógrafo Samuel Luna de Almeida, ressalta a necessidade de maior atenção ao transporte coletivo. “É preciso ampliar a utilização de modais que poluam menos”, afirma, em entrevista ao portal da USP. Ele explica que levou em consideração o número de veículos, o comprimento e a quantidade das vias da cidade.

Crianças nos entornos de locais de alta motorização em São Paulo sofrem com poluição do ar. (Foto: Fernando Stankuns)

Números da Secretaria de Estado da Saúde de SP também alertam para a conscientização da importância do uso de transportes sustentáveis: entre 2004 e 2006, mais de 81.033 crianças foram internadas por doenças respiratórias, sendo que em 20.449 dos casos o diagnóstico apontou a relação do problema com a poluição atmosférica.

Isso se deve, de acordo com o autor da pesquisa, ao fato de que o organismo dos pequenos é mais frágil e o metabolismo mais acelerado, fazendo com que eles não respondam tão bem a tratamentos pré-internatórios, o que torna a poluição dos carros um fator agravante para a situação.

Avanços tecnológicos para redução de emissão de poluentes em indústrias e veículos, mostra a pesquisa, não é suficiente para amenizá-los, o que faz com o que o intenso tráfego aumente os riscos para a saúde.

A pesquisa é mais um indicador da urgência do uso de transportes coletivos e sustentáveis, para mais mobilidade urbana, qualidade de vida e saúde da população.

Com informações da USP.