Delegação chinesa no Morro da Babilônia

Chineses conhecem o Morro da Babilônia e o projeto Morar Carioca (Foto: Mariana Gil/EMBARQ Brasil)

No último dia na Cidade Maravilhosa, a delegação chinesa conheceu o Morro da Babilônia. Localizada no Leme, entre as praias de Botafogo e Copacabana, a comunidade, que cresceu muito na última década, agora vive as mudanças do projeto Morar Carioca.

Procurando conhecer novas experiência e ideias aplicáveis aos grandes centros urbanos, Zhen Sun, Yan Li, Qi Wang, Guiyuan Ran, Yang Yan, Xiaomei Tan e Hongpeng Lei gostaram de conhecer alguns dos programas sociais que atendem à favela, como o que permite às famílias trocarem lixo reciclável – plástico, papel, vidro e metal – por um desconto na conta de luz. E não faltou disposição para subir o morro: ao longo do caminho, eles paravam, faziam perguntas, fotografavam.

O grupo foi acompanhado por Adriana Laranjeira e Maurício Tostes Vieira, da Secretaria Municipal de Habitação do Rio de Janeiro (SMH), que apresentaram um pouco do trabalho realizado na comunidade pelo projeto Morar Carioca. A reurbanização das favelas cariocas, incluindo a reforma de estradas e calçadas, a construção de escadas e rampas de acesso e a garantia de moradias saudáveis e regulares são alguns dos benefícios previstos pelo projeto que despertaram a atenção e o interesse dos chineses. Para eles, o projeto é uma forma eficaz de melhorar a vida das pessoas e solucionar o problema das moradias irregulares, que também existe na China.

Entre fotos e olhares admirados, os chineses percorreram uma pequena parte do Morro da Babilônia e viram de perto como funciona a vida na comunidade. “É um lugar muito interessante. E é bonito também, tanto quanto lá embaixo”, comenta Yang Yan, diretora da Divisão de Planejamento Integrado do Comitê de Transportes de Chengdu.

Uma chinesa no Brasil

No decurso dos três dias no Brasil, Xiaomei Tan, diretora da China Sustainable & Livable Cities Initiative, do WRI China, comentou sobre a passagem pelo país. Para ela, a viagem é uma oportunidade de agregar conhecimento ao seu trabalho e levar para o outro lado do mundo o que ela viu aqui, além de contribuir com os brasileiros, compartilhando suas próprias ideias.

Xiaomei não se cansou depois de um voo de trinta horas e, em todos os encontros de que participou no Brasil, mostrou-se disposta a aprender e a conhecer cada detalhe das ações e projetos brasileiros empreendidos nas áreas de saneamento, mobilidade urbana e transportes. “Sem dúvida esses dias aqui no Brasil estão sendo muito proveitosos. Nós estamos conhecendo ideias novas e estamos aprendendo muito com vocês, com certeza”, afirma.

Ela conta que, na China, muitos dos problemas vistos no Brasil se repetem – moradias irregulares, trânsito, poluição – e que, portanto, ver o que outro país está fazendo para tentar resolvê-los é uma ótima oportunidade para trocar conhecimento e melhorar a vida das pessoas. “Com muitas pessoas vivendo na cidade, é preciso de infraestrutura para garantir mais qualidade de vida à população: água e energia, espaços e serviços públicos, transporte eficiente. Esse sistema, o BRT é incrível”, diz.

Mas o BRT não foi o único a impressionar Xiaomei na capital carioca. Além do novo sistema de ônibus, a chinesa foi surpreendida pelos graffitis no Morro da Babilônia: “São ótimos, deixam a cidade mais bonita, mais colorida”.