Transporte público por um planeta mais limpo

Intenso fluxo de automóveis no Rio de Janeiro, RJ, prejudica as cidades e as pessoas (Foto: alvez)

Por Luísa Zottis

Além de congestionamentos e acidentes de trânsito, o grande fluxo de automóveis nas vias causa boa parte da emissão de gases do efeito estufa, que comprometem a saúde das pessoas e do planeta. Como solução para esta problemática, o Estado do Rio de Janeiro vai priorizar a qualidade do seu transporte público.

Os serviços de corredores exclusivos para ônibus, entre eles o sistema BRT (Bus Rapid Transit), trens, metrô e barcas serão ampliados e melhorados nos próximos dois anos. A previsão é emitir 1,8 milhão de toneladas a menos de gases poluentes na atmosfera. O índice corresponde à metade do objetivo de redução previsto para até 2030, que é de 3,8 milhões de toneladas, de acordo com a Secretaria de Estado do Ambiente do RJ (SEA).

As estimativas sobre os futuros impactos gerados pelos setor de transporte são motivadoras: ao todo, 260 mil carros particulares e 12 mil ônibus serão substituídos diariamente por transportes coletivos mais sustantáveis, ampliando também a quantidade de passageiros atendidos diariamente, de 400 mil para cerca de 1 milhão, de acordo com informações da SEA.

“Isso é muito importante para a contribuição do Rio na redução das emissões que aumentam a temperatura do planeta. Mas também tem um ganho muito importante na redução da poluição sonora e do ar que acabam com os tímpanos e os pulmões da população. Os maiores vilões das poluições do ar e sonora são os carros, ônibus e caminhões”, avalia o secretário estadual do Ambiente do RJ, Carlos Minc, em entrevista à Agência Brasil.

O transporte coletivo molda as cidades. A alternativa que o RJ encontrou não apenas reduz emissões como promove uma mudança geral na saúde, na mobilidade urbana, e consequentemente na qualidade de vida.

Confira a contribuição, em toneladas de gases que serão emitidos a menos, do transporte público nestes dois anos de ampliação:

– Melhorias da rede ferroviária: 884.330 toneladas;
– Reestruturação rodoviária: 504.400 t.;
– Expansão da malha metroviária: 414.300 t.;
– Expansão hidroviária: 33.060 t.;

Fonte: Secretaria de Estado do Ambiente do RJ