Rio: definido o traçado do BRT TransBrasil

Por Metro RJ

A prefeitura do Rio de Janeiro divulgou, na última semana, o projeto completo do BRT (Bus Rapid Transit) TransBrasil, que vai ligar Deodoro, na zona oeste do Rio de Janeiro, até o aeroporto Santos Dumont, no Centro. No total, serão 32 quilômetros de corredor para os ônibus rápidos.

Após percorrer a Avenida Brasil e passar pelas avenidas Francisco Bicalho e Presidente Vargas, o corredor exclusivo para ônibus entrará na rua Primeiro de Março e seguirá pela avenida Presidente Antônio Carlos. Nesse trecho, segundo a Secretaria Municipal de Obras (SMO), será construído um mergulhão de acesso ao aeroporto, “preservando o patrimônio paisagístico do Aterro do Flamengo”, informa a SMO.

A secretaria também anunciou que as obras serão licitadas até o fim do primeiro semestre e começarão ainda em 2013. A previsão de duração é de 30 meses, com a conclusão programada para 2016, a tempo dos Jogos Olímpicos.

Sobre o TransBrasil

O corredor terá 32 quilômetros de extensão, com quatro terminais, 28 estações e 16 passarelas. O projeto está orçado em R$ 1,5 bilhão, sendo que R$ 1,097 bilhão será financiado pelo Governo Federal, por meio do PAC da Mobilidade Urbana. O restante do valor será custeado pela prefeitura.

O acesso às estações em grande parte do corredor será por meio de passarelas. Ao longo das avenidas Brasil e Francisco Bicalho, as pistas serão exclusivas e sem cruzamentos ou sinais.

Projeto do BRT TransBrasil. (Reprodução)

O trecho de maior demanda de passageiros será entre o Terminal Margaridas (que será construído no entroncamento da Av. Brasil com a rodovia Presidente Dutra) e a Candelária. No trajeto, o corredor será operado em duas faixas por sentido com uma frota de 881 veículos, entre ônibus articulados e biarticulados.

Em seu traçado estão previstas obras para melhorar a pavimentação e a urbanização das vias, além do alargamento de um trecho da Av. Brasil. A SMO também providenciará a reestruturação da rede de drenagem ao longo da via, com a implantação de nove projetos para correção de pontos de alagamento.

Fonte: Jornal Metro RJ

  • esquilo2@gmail.com

    Sera que teremos uma desapropriação justa!!!! Ou seja consegiremos adquirir outro imovel parecido com o desapropriado.