Metrô de São Paulo 24 horas por dia?

Metrô de São Paulo. (Foto: Thunders Parks)

Um abaixo-assinado virtual, que circula desde o início do mês pelas redes sociais, está causando um grande debate na cidade de São Paulo. O apelo, elaborado pelo estudante Rômulo Zillig, 20 anos, é para que as linhas do metrô da maior metrópole da América Latina funcionem 24 horas por dia, assim como em Nova York (EUA). O pedido vem no momento em que a cidade sofre com a falta de opções de transporte público entre meia noite e 5h da manhã, período em que milhares de pessoas estudam, trabalham e se divertem pelas ruas de São Paulo.

No texto que acompanha o abaixo-assinado, Zillig explica que o funcionamento do metrô poderia “suprir as necessidades de transporte noturno” do paulistano, e lembra que o serviço de táxi é caro, o ônibus é “totalmente deficiente” e a situação do motorista que consome álcool ficou ainda mais complicada após a intensificação da Lei Seca, há cerca de 20 dias. Até o momento, o abaixo-assinado já reúne 80 mil apoiadores e pretende chegar aos 100 mil. A ideia é levar a lista até a Assembleia Legislativa e pressionar políticos para que um projeto do gênero seja discutido, de fato.

Manutenção é grande empecilho

Atualmente, o metrô opera até 00h30, em dias de semana, e até 1h na madrugada de sábado para domingo. Assim, o pedido faz todo sentido já que a população que se desloca além deste horário fica dependente do carro particular, serviço de táxi ou poucas linhas de ônibus que circulam durante a madrugada e não atingem zonas periféricas.

Porém, o grande problema em implementar um sistema 24 horas no metrô de São Paulo seria a falta de tempo para a manutenção. Com um fluxo diário de 4 milhões de pessoas, a proposta de não parar o sistema, hoje, é inviável, de acordo com especialistas. Durante a madrugada, trens e vias passam por limpeza, vistorias e recuperação. Este é o principal empecilho para que o horário de funcionamento seja ampliado, segundo a companhia. Para ser feita, a circulação de trens precisa ser completamente interrompida.

Lotação na Linha 2. (Foto: Agência RPCI)

Segundo o presidente da Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP), Ailton Brasiliense, em entrevista à Folha de S.Paulo, afirma que o metrô de São Paulo teria um colapso se circulasse por 24 horas. “A manutenção é essencial. Um trem não sai do lugar se uma porta estiver aberta, por exemplo. Teríamos que abrir mão de uma série de procedimentos de segurança”. O custo de operação seria maior e a tarifa de embarque, calcula Brasiliense, teria de aumentar bastante. “Em São Paulo acho praticamente impossível isso acontecer. O custo é inviável.” O metrô transporta cerca de 4,6 milhões de pessoas durante o dia. De madrugada, este número cairia no máximo para 100 mil, prevê Brasiliense.

A companhia pondera a possibilidade de aumentar o horário de funcionamento de algumas linhas de maior demanda, no futuro.

Fontes: Hypeness e Folha de S.Paulo

  • http://www.facebook.com/emmerson.kran Emmerson Kran

    Não entendo pq é impossível ou improvável o funcionamento 24 horas. Se em algum lugar do mundo isso acontece é simples: COPIA…se dá certo lá fora adapta-se um modelo pra nossa realidade. Pronto!