Passageiros de Curitiba aprovam novos ônibus híbridos nas linhas convencionais

Modelo híbrido que já circula pela capital paranaense. (Foto: Brunno Covello/SMCS)

Por Prefeitura de Curitiba

Quatro linhas convencionais – Detran/Vicente Machado, Juvevê/Água Verde; Jardim Mercês/Guanabara e Água Verde/Abranches – passaram a ser servidas pelos novos ônibus híbridos, dotados, simultaneamente, de um motor elétrico e outro movido a biodiesel. A novidade agradou os passageiros, que aprovaram o conforto dos carros que usam a chamada “tecnologia limpa”, com baixo índice de emissão de poluentes.

Nas quatro linhas, os ônibus têm pintura predominantemente marrom sobreposta ao tradicional amarelo dos convencionais, enquanto os interbairros, já em circulação desde setembro, têm cor verde, salientando o design da carroceria que chama  a atenção por onde passa. “Achei que o novo ônibus é menos barulhento, gostei muito”, disse a confeiteira Tereza Cordeiro Faria,  que pela primeira vez embarcou no Hibribus da linha Detran/Vicente Machado. A opinião de Tereza é compartilhada pela estudante Alícia Lung. Segundo ela, o novo ônibus representa um modelo sustentável para o transporte. “Além de silencioso, é fruto de um projeto ambientalmente correto”, diz.

Já o conforto e o ambiente silencioso no interior do coletivo são argumentos usados pela consultora Luciana Alves para, preferencialmente, fazer seus deslocamentos em um dos ônibus híbridos. Diariamente, Luciana vai do Batel ao Tarumã, a serviço, e aproveita o tempo de viagem para usufruir a tranquilidade no interior do coletivo.

Passageiros aprovam novos ônibus híbridos nas linhas convencionais. Na imagem, a estudante Alícia Lung. (Foto: Brunno Covello/SMCS)

Tecnologia – Se comparados com os coletivos equipados com motores da geração Euro 3 até então em uso nas linhas, os 20 novos Hibribus, produzidos pela Volvo do Brasil e incorporados à frota do sistema de transporte administrado pela Urbs – Urbanização de Curitiba S/A, a emissão de poluentes e material particulado é reduzida em até 89%. Já a emissão de óxido de nitrogênio (NOX) sofre redução de até 80%, e o de dióxido de carbono (CO2), de até 35%. Além disso, os ônibus híbridos consomem 35% menos biodiesel que os até então em uso nas linhas.

Os dois motores funcionam da seguinte forma: o elétrico é usado no arranque e na aceleração. Quando o ônibus alcança a velocidade de 20 km/h, entra em ação o motor movido a biodiesel. A realimentação das baterias elétricas acontece a cada frenagem do veículo.

“A diferença, para quem espera o ônibus no ponto, é que ele é muito silencioso e não emite a tradicional nuvem de óleo diesel que polui o meio ambiente, permitindo deslocamentos prazerosos numa Curitiba queprivilegia a energia limpa”, frisa a assistente administrativa Simone Lourenço.

A entrada em operação dos ônibus híbridos faz parte da política do município de investir na redução do impacto ambiental da frota do transporte coletivo. Atualmente, a frota operante da Rede Integrada de Transporte é formada por 2001 ônibus, e 30 deles são ônibus híbridos.